sexta-feira, 10 de maio de 2019

Entrevista ao jornal Gazeta Missões - abril/2019 A

-O Grupo de vocês ganhou alguns prêmios, bons prêmios no festival Cena ViVa que culminou no domingo último. Conta pra nós quais foram os prêmios-

Então, nós ganhamos dezoito prêmios por assim dizer entre medalhas e troféus, entre eles o de melhor espetáculo infantil com o trabalho A roupa nova do rei. Um trabalho que já é de 2017, mas pouco apresentado. O elenco foi todo indicado praticamente, então motivo de orgulho para todos, sem falar que havia premiação em dinheiro, e para a gente que faz arte no interior esse aporte é muito importante....

-O Grupo Máschara já havia ganhado outros troféus ou foi a primeira vez? E como isso se mostra importante na cidade de vocês?

Na verdade já fomos em mais de cinquenta festivais desde que o grupo foi fundado em 1992. Temos um número legal de troféus. Mas claro sempre mudam os atores e a cada nova geração de atores é importante o reconhecimento que significa estudo e técnica buscados a cada ensaio, a cada trabalho dentro do grupo. Já na cidade acho que entre amigos e pessoas próximas, familiares é importante, mas no fundo no fundo é só mais coisa na estante...

-Fale um pouco da peça que vocês trouxeram.

Então, eram duas... As Balzaquianas uma tragicomédia para rir e chorar, que fala do universo feminino e que foi muito aplaudida. E A roupa nova do rei, um conto de Andersem adaptado para o palco de um jeito todo especial, com técnicas de comedia dell art, com visual medieval e que passa uma mensagem sobre o consumismo e talvez sobre a importância de revermos o que estamos ensinando a nossos filhos.

-Vocês imaginavam que iriam ganhar?

Quando a gente monta um trabalho a gente pensa em fazer algo bonito e que a platéia se comova de alguma forma, não se pensa muito em troféu ou em festival. Não se sabe se vai dar certo, são semanas as vezes meses de trabalho. A roupa nova por exemplo é um trabalho que começou há muito tempo, a ser pensado, escrito, até chegar a esse formato.

-Vocês escrevem seus textos? Qual a maior dificuldade?

A dificuldade maior é encontrar bons textos contemporâneos que falem exatamente o que tu queres falar. Por que existem muitos textos, mas muita coisa mal é estreada e já está ultrapassada. Então tens que adaptar, e isso não é tarefa fácil, há o politicamente  coreto que deve ser levado em conta, existe uma carpintaria que a que também deve se estar atento. Enfim, acho escrever algo muito difícil, hoje em dia há muita gente querendo falar, escrever, dar ponto de vista, escrevendo blogues, livros, letras de musicas... mas será que tudo é bom? Por que não se tem um crítico para essas coisas... É preciso saber escolher, saber com o que a gente pode perder tempo...

-Interessante essa colocação, para encerar, quando podemos ver novamente o espetáculo?

Em breve A roupa nova do rei será reapresentada em algum bom teatro, assim como As Balzaquianas, mas o interessante é o pessoal pensar que o importante é irmos ao teatro, sempre, qualquer teatro, a arte cênica é algo maravilhoso, todos devemos dar uma chance para que artistas nos encantem com suas historias maravilhosas.


                               Cléber Lorenzoni

Nas portas do Clube Arranca - Noite de Sucesso


Cenas curtas- Esmate adulto - Ano VII

Quadro 0

-Bom dia, Bom dia minhas e meus ouvintes, no ar a rádio Da Clarisse!
Aqui quem fala é o seu comunicador Rodrigo S. M
Esse é o programa A Hora da Estrela
E acredite, a estrela é você todinha!

Tudo o que estou agora escrevendo é acompanhado pelo rufar enfático de um tambor batido por um soldado. No instante mesmo em que eu começar a história de súbito cessará o tambor.  (palavras de uma escritora)

(palavra da escritora)
Aqui pela zyz... A rádio Da Clarisse!

Mas voltemos a hoje. Por que como se sabe, hoje é hoje. Não estão me entendendo e eu ouço escuro que estão rindo de mim em rios rápidos e ríspidos de velhos. E ouço passos cadenciados na rua. Tenho um arrepio de medo. Ainda bem que o que vou escrever já deve estar na certa de algum modo escrito em mim. Tenho é que me copiar com uma delicadeza de borboleta branca. Essa ideia de borboleta branca vem de que, se a moça vier a se casar, casar-se-á magra e leve, como virgem, de branco. Ou não se casará? O fato é que tenho nas mãos um destino e no entanto não me sinto com o poder de livremente inventar.


Na hora da morte a pessoa se torna brilhante estrela de cinema, é o instante de glória de cada um e é quando como no canto coral se ouvem agudos sibilantes...

(palavra da escritora)
Aqui pela ZYZ... A rádio Da Clarisse!

E a dúvida do dia...

Enquanto isso as nuvens são brancas e o céu é todo azul. Para que tanto Deus? Por que não um pouco para os homens?

Os Quiprocós de A roupa Nova do Rei


Alessandra Souza, Clara Devi e Kauane Silva - A corte Francesa


Cenas Curtas - Esmate Adulto - Ano VII


Quadro 5

-Levanta MAcabéa, já é tarde, venha ajudar a tia, vamos, se ficar dormindo não te dou goiabada com queijo. Anda  e não fale alto. Vamos Maca, não me incomode, se mecha dessa cama. Peça desculpas, vamos peça desculpas, peça desculpas
-Tia não por favor...
-Peça desculpas, e reze... Já arrumou tuas malas? Tu sabes que quero ir cedo para o ponto.
-Tia, o que nós vamos fazer no rio de janeiro?
-Arrumar um bom emprego para vc, desde que sua mãe morreu eu fiz mais do que podia pra te criar, agora é hora de vc devolver...

Cenas Curtas - Esmate Adulto - Ano VII


Quadro 1
-Olimpico, você podia me telefonar...
-Pra que?
-na repartição todo mundo atende telefone, alguém está sempre querendo falar com alguém, mas nunca ninguém me liga... se vc tiver ficha pode me telefonar...
-Pra ouvir as tuas bobagens? Eu sou muito inteligente, um dia vou ser deputado.
-Mulher é deputada?
-Acho que sim
-Que nome horrível, parece palavrão, eu não queria ser isso ai...
(pausa)
-Pois é.
-Pois é o que?
-Eu só disse pois é
-Mas pois é o que?
-Melhor mudar de conversa, você não me entende...
-Mas entender o que?
-Santa virgem Macabéa, vamos mudar de assunto.
-Falar de que?
-De qualquer coisa, por exemplo fale de você...
-Eu?
-Por que o espanto? VocÊ não é gente? Gente fala de gente.
-Desculpe, não sei se sou muito gente.
-Todo mundo é gente meu deus!
-É que não me habituei.
-Todo mundo é gente, cada um é o que é...
-E o que vc é?
-Eu ora, eu sou o olímpico, sou forte, embora não pareça.
(ela ri)
-Não acredita? Com um  braço posso te erguer do chão. Quer ver?
-Não, não os outros vão olhar e vão maldar...
-Magricela esqueisita ninguém olha.
(ele a ergue, ele se desiquilibra e a derruba)
-Não se incomode, foi uma queda pequena. (ela limpa o sangue com a saia) Não olhe enquanto eu estou me limpando por que é proibido levantar a saia.
-Venha, vou te pagar um café, sem leite, que é mais barato. Se eu não tiver vc completa.




Cenas Curtas - Esmate Adulto - Ano VII

Quadro 4

MGraça-Ai nossa, to exausta!
MJosé-Também o dia inteiro em pé
MPenha-Quem está com a chave?
MJosé-Olha a Maca...
MPenha-Boa noite Macabéa
Macabéa-Boa noite.
MGraça-Como foi na repartição?
(pausa)
MJose´-Macabéa, a Graça está falando com você!
Macabéa-A senhora me desculpe.
MGraça-(Debochando)A senhora me desculpe, você é uma figura Maca...
MPenha-Deixa ela Graça
MGraça-Preciso deitar, to morta
MPenha-Você está estranha Macabéa...
Senhoria-Estava esperando vocês... Dia de pagar o aluguel que aqui não é albergue
MJose´-Nossa já fechou o mês?
Senhoria-Já passou três dias, não sou irmã de caridade. Mas olha só tem café quentinho na térmica la na cozinha.
MJosé-Eu só quero um banho quente...
Senhoria-O chuveiro está queimado.
MGraça-O que? Não brinca
Senhoria-Não tive dinheiro pra manda trocar o fuzil, mas agora dou um jeito. E você Menina, não vai pagar não?
Macabéa-Não recebi ainda
Senhoria-Vocês deviam arrumar trabalho pra macabéa la nas americanas, lá pagam melhor.
Macabéa- A senhora me desculpe.
MPenha-Amanhã ela paga, , não é Macabéa e se não tiver o montante eu ajudo.
Senhoria-Vocês que sabem, café as seis e meia da manhã. E a senhorita, nada de escutar rádio alto aqui no quarto.
Macabéa-A senhora me desculpe.
Senhoria-Noite meninas, Graça, vou te deixar um esmalte que não uso la na cozinha amanhã pela manhã, sei que vc gosta.

Macabéa- Eu nunca usei esmalte...
MPenha-vc quer eu te empresto Maca
(radio)
Macabéa-É a merilin...
MJosé-Não sei por que vc gosta tanto dessa atriz...
Macabea- Eu vi ela na capa de uma magazine, Deve ser incrível ser uma artista. Usar batom forte. Esmalte
MPenha-Vou dormir, maca, estou muito cansada. Será que o olímpico gosta de merylin?
(cena com lembrança

Cenas Curtas - Esmate Adulto - Ano VII


Quadro 3
-chuvinha gelada...
-O que?
-Chuvinha gelada...
-A é...
-A moça não parece ser daqui não...
-Alagoas!
-Paraíba!
(silencio) (rádio)
-Se me desculpe, posso convidar a moça pra passear?
-Sim...
-Qual é mesmo a sua graça?
-Macabéa...
-Maca o que?
-Béa.
-Engraçado, até parece nome de doença que da na pele...
-E o seu?
- O que?
-Nome...
-Olímpico de Jesus...(pausa longa)  (rádio) Moreira chaves , olímpico de Jesus Moreira Chaves
-Eu não entendo o seu nome. Olímpico?
-Eu sei mas não quero dizer...
-Eu sou datilógrafa
-Eu sou metalúrgico...
-Datilógrafa e metalúrgico.  Eu gosto muito de pregos e martelos...
-Eu tenho que ir. Amanhã trabalho cedo. Será que podemos nos ver novamente amanhã depois do expediente?


Cenas curtas- Esmate Adulto - Ano VII


Quadro 2
-Bom dia Macabéa,
-Bom dia dona gloria!
-Senhorita Gloria, dona me envelhece. chegou mais cedo hoje. Preciso que você bata pra mim esses dois textos. O Raimundinho já chegou?
-Sim, o seu Raimundo já está na sala dele.
-hum, vou ali fazer um agradinho pra ele.  Bom dia chefinho, quer alguma coisa? Nossa que cara é essa?
-Não é possível dona gloria, essa moça, a macabéa, é uma porca.
-Psiu, fale baixo, a coitada da moça é capaz de se assustar..
-Farelo de comida, pingo de café, umas manchas marrons, onde ´que ela esfregou esse papel?
-Calma, eu limpo pra você...
-Não, chega, vou demitir ela! Dona Macabéa!
-Sim senhor seu Raimundo...
-Escute aqui, essa é uma repartição seria, que tem uma reputação, não da para datilografar errado, nem derramar coisas nos papeis, são documentos muito importantes, desse jeito logo logo a senhora não vai poder mais trabalhar aqui.
-O senhor me desculpe seu Raimundo!
-Que?
-O senhor me desculpe pela minha incompetência...
-Bom... claro, digo, claro que também se a senhora se esforçar, com certeza vai poder ficar trabalhando aqui... e..
(antes de sair da uma olhada empinada para macabéa)
-Não de  bola, tem dias que ele vem assim... não deve ter tido ontem a noite... Conhece o ditado né...
-Qual?
-Qual o que?
-Qual ditado?
-Que ele não met... deixa pra la macabéa... Mas me conta e seu namorado?
-Não é namorado, acho que é só amigo...
-E ele é bom?
-É um rapaz bom sim... Ele diz que vais er deputado.
-Deputado, politico? A já vi, então não gosta de trabalhar...
-Trabalha, trabalha sim, e enquanto não vira deputado, diz que quer trabalhar com carne, acha lindo cortar a carne, ver o sangue, eu não posso ver sangue perto de mim;..
-Carne, nossa, meu pai tem um açougue, posso ver se não há um lugar pra um açougueiro que gosta de mexer em coxão de dentro...