terça-feira, 4 de fevereiro de 2020

EQUIPE DE DESTROÇOS DE CANDURA


PERFORMANCE O TEMPO E O VENTO


Performance O Tempo e o vento


"Uma geração vai; outra geração vem, porém a terra para sempre permanece. E nasce o sol e põe-se o Sol e volta para o lugar d'onde nasceu. O vento sopra para o sul e faz seus giros para o norte, continuadamente vai girando o vento, fazendo sempre os seus circuitos"

Ana Terra: Noite de Vento! Noite dos mortos!
Pedro Missioneiro: Eu cresci numa missão, Ana, e o jesuíta que me criou sempre me falou das maravilhas do mundo. Tu, Ana, és minha Rosa Mística!
Bibiana Nova: Como dizia minha avó Ana: "Sempre que alguma cousa de importante acontece está ventando".
Capitão Rodrigo: Buenas que me espalho! Nos pequenos dou de prancha, nos grandes dou de talho!
Luzia: Não me importo nem com os Terra, nem com os Cambará, este sobrado é meu, foi construído pelo meu avô e vocês não são bem-vindos aqui!
Licurgo: Diga à todos que a revolução acabou, o cerco caiu, e diga também que nós Republicanos vencemos e que a partir de hoje toda vez que um homem empunhar a sua espada será em nome da liberdade!
Maria Valéria: Ter filhos é negócio de mulher, cuidar da casa é negócio de mulher, sofrer calada é que é negócio de mulher, pois fique sabendo que nós também estamos defendendo o sobrado! Alguma de nós já se queixou? Alguma de nós já lhe pediu para devolver o sobrado? Não, não pediu, porque nós, mulheres, também estamos na guerra!
Bibiana Velha: Meu capitão… Será que venta na eternidade?
Padre Lara: Nós estamos aqui, Érico! Na tua Cruz Alta, na nossa Santa Fé!
Todos: E através de nós, tuas personagens, tu serás eterno!