segunda-feira, 29 de agosto de 2016

748 - Olhai os Lírios do Campo tomo 5

A arte está acima...



                                   “A vida é curta, a arte é longa, a oportunidade fugidia, a experiência enganosa, o julgamento difícil”
Hipócrates


              Ouvindo doutor Eugênio Fontes explanar sobre seus anseios, seus desejos, sua ambição e ainda vislumbrando sua contraditória marcha em busca do reconhecimento e da construção de uma carreira, recordei-me de todos os médicos aos quais recorri até hoje em momentos de dor e mazelas físicas. Curioso como algumas das profissões exercidas pelo homem nos confundem e são vistas não como meras manifestações profissionais, mas como lampejos do poderoso senso de humanismo.
                Doutor Eugênio Fontes descobre talvez da pior forma, e por que não dizer, tarde demais, que pode ser melhor, que pode pôr sua existência a favor do próximo. Há algum tempo perdi uma amiga, uma senhorinha que ficou durante dois dias em coma e nenhum doutor quis atendê-la, após discussões, embates e apelos, um doutor “Eugênio” resolveu tomar alguma providência. Tarde demais, a pobre senhora não resistiu.
               Costumo ouvir muitas pessoas dizerem: “nunca é tarde demais para...”, discordo, as vezes é tarde demais sim! Para Olívia e Doutor Eugênio Fontes, foi tarde demais. Eunice Cintra ainda era jovem, poderia casar-se mais um sem número de vezes, mas Eugênio e Olívia perderam-se no tempo.
               A maior função do teatro não é divertir e fazer rir, a maior função do teatro é fazer pensar. Posso sim, rir enquanto penso, posso rir para pensar melhor, mas jamais, posso concordar em praticar tão sagrado ato com o simples interesse do gracejo vazio, isso seria supervalorizar a transloucada ignorância e a disseminação do supérfluo, tão valorizado nas redes sociais. Aí dirão que essa senhora é velha e quadrada, sim, sou mas o legado de tanta frivolidade é um futuro com cidadãos vazios e pouco preocupados com as questões do mundo.
              Na plateia todos somos pacientes, mas foi a primeira vez que vi nas cadeiras do teatro, tantos médicos, espero que tenham feito o exercício catártico necessário a quem assiste um espetáculo teatral. Sobre o palco ao menos ele foi feito e a curva dramática foi muito intensa. Na verdade Olhai os Lírios do Campo vem crescendo, tornando-se um espetáculo brilhante. Concepção inteligente, Iluminação belíssima, Trilha sonora bem exercida, e uma mensagem que nos faz pensar  e muito.
              Sobre o palco uma constelação. Alguns batalhando há anos pelo respeito, admiração, e aceitação do público. Outros, poucos, tentando aprender, crescer, descobrir, tornar-se  artistas completos. E ainda alguns perdidos entre o amar e o simplesmente estar ali. O Máschara possui um grupo muito versátil e cheio de diversidade. Isso o torna colorido, criativo, cheio de vieses em suas possibilidades artísticas.
                 Foi sem dúvida a melhor interpretação de Cléber Lorenzoni em Doutor Fontes adulto. Dulce Jorge e Alessandra Souza são grandes atrizes mas em alguns momentos haviam escapes de texto, e uma certa desconcentração. Possivelmente reflexos de uma insegurança causada por poucos ensaios. A curva dramática emocionou, e algumas cenas foram brilhantes, principalmente a passagem do tempo sobre o caminho móvel, e a discussão que encerra o casamento entre Eunice e Eugênio.
                  Quando observo um espetáculo como esse sobre o palco, fico fascinada e encantada com a capacidade de uma equipe que pouco apoio tem, e que ainda assim nos emociona e toca a cada apresentação. O olho no olho entre os colegas de cena. A lúdica cena das crianças com dona Alzira, a emocionada cena de Dr. Eugênio no colo de Alessandra Souza, o final tão de bom gosto...
                   Aconselharia a entrada de Seu Ângelo mais rápida com o tarro, foi percebível que Cléber Lorenzoni não tinha o que fazer para impedir estar vendo o colega muito antes desse chegar ao centro do palco. A dicção de Douglas Maldaner como Seu Jango precisa ser melhor trabalhada. Um grupo de atores tão ávidos de brilhar, de contar, afinal somos todos contadores de historias, pode e deve sempre melhorar seu trabalho. Alessandra Souza pode deixar ainda mais interessante a leitura da ultima carta à Eugênio. O Bebê, embora logo transformado em espectro imaginário, pode ser melhor disfarçado, para que possamos acreditar que ali está a pequena Ana Maria.
                    A iluminação e trilha Sonora exercidas por Fábio Novello e gabriel Giacomini, fizeram jus há dois dias de trabalho para se alcançar a maestria. Os tons e sutilezas na operação, renderam momentos lindos no espetáculo.
                 Olhai os Lírios do Campo é um acerto, um libelo à Erico Verissimo e a certeza de que muitos outros grandes trabalhos do Máschara subirão ao palco.
                    


Alessandra Souza  (**)
Cléber Lorenzoni (***)
Dulce Jorge (**)
Renato Casagrande (***)
Fernanda Peres (***)
Ricardo Fenner (**)
Douglas Maldaner (**)
Evaldo Goulart (**)
Raquel Arigony (**)
Fabio Novello (**)
Gabriel Giacomini (**)
         


                                A Rainha

A mobilidade corpórea


Lambada, salsa


Grupo Máschara no Superação Duque de Caxias


Domingo foi dia de Ação social


Equipe Olhai os Lírios do Campo


Elenco do Máschara e equipe do Abrace o São vicente


Olhai os Lírios do Campo por Fabio Novello


sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Experiências Somáticas com Raquel Arigôny


No aniversário de Cruz Alta, o Máschara conta sua historia


Alessandra Souza, a Olívia de Olhai os Lírios do Campo


Cléber Lorenzoni divulgando olhai os Lirios do Campo no programa Por Aí


Comercial Olhai os Lírios do Campo


Todo sábado tem aula de teatro, encontro de criação na ESMATE


Matéria do Jornal Diário Serrano em 8 de agosto de 2016


Olhai os Lirio do campo


Grupo reunido


domingo, 14 de agosto de 2016

Evaldo Goulart divulgando o Grupo Máschara


Aula de caracterização no guarda roupa do Máschara


Commédia dell Arte na ESMATE


Salsa no XIII corpo em Ação


A estréia de Raquel Arigony no "Corpo em Ação" 13º Corpo em Ação- 13 de agosto 2016


Raquel Arigony em divulgação de espetáculo


Correspondências dos alunos da ESMATE


terça-feira, 9 de agosto de 2016

A arte não tem limites



Alunos da Esmate confeccionaram suas próprias caixas postais

Preparando uma caixa preta


Olhai os Lírios do Campo em Agosto/2016 em Cruz Alta


Corpo em Ação nas ruas de Cruz Alta


Evaldo Goulart e Alessandra Souza em cena de Olhai os Lírios do Campo


Abrace o São Vicente - Arte de Renato Casagrande


12ª Edição Corpo em Ação - 6 de Agosto - Waca Waca Shakira