segunda-feira, 29 de março de 2010

Lá longe meu pai... Um Inimigo do Povo

Kauane Linassi  e Cléber Lorenzoni
em Ibsen

Alexandre Dill como Macduff

Feriadão em Jari/RS

Luis Fernando Lara, Kelem Padilha, Angelica Ertel, Dulce Jorge, Gelton Quadros
Gabriel Wink, Marcele Franco, Cléber Lorenzoni e Tatiana Quadros

sexta-feira, 26 de março de 2010

Como Nasceu Esconderijos do Tempo

Em um determinado dia do mês de dezembro de 2005, o produtor do meu grupo procurou-me dizendo que seria interessante montarmos algo a respeito do centenário de Mario Quintana. Na hora me preocupei, pois não gostava muito de Mario e conhecia muito pouco, afinal no colégio recebemos apenas uma pincelada da obra do poeta. Pois bem, reuni meu grupo e colocamo-nos a ler as obras, encomendamos de porto alegre quase toda a coleção, pois minha cidade não tem grandes acervos. Lemos, Lemos, Lemos... Fomos para o palco, pensando em: tias, folhas secas, lampiõesinhos e a figura da morte, mas não sabiamos onde chegar. Como é típico em uma montagem fizemos muita improvisação. Mas nada acontecia. Em um fim de semana uma de minhas colegas foi a porto alegre buscar mais material para pesquisa. Estavamos já uma pilha de nervos. Então sentei-me no chão do palco e comentei com uma das atrizes, "não é nada disso" Mario deveria estar na praça como ele esteve por tanto tempo. Ela disse mas como Cléber...? Tudo na praça? E ai me deu um clique  Mário na praça de Porto Alegre, ou de qualquer lugar, interajindo com figuras de sua vida, ora a obra de Mario Quintana é toda a sua vida. Pensei ei! Por que não o Mario criança na praça e o Mario velho na praça.

Nós temos aqui uma lógica de trabalha assim... Todos os atores do grupo entram nas montagens, então sempre acabo por criar os personagens de acordo com o material humano que tenho. Então juntamos Mario, A glorinha e o amigo gouvarinho. A dulce comentou comigo, por que glorinha, e não lili? Ja que a personagem lili é tão importante? Eu comentei, ora,eu coloco uma Lili mas a glorinha fica como amiga do MArio, ai surgiu a Lili... com a cena do peixinho que estava no mesmo livro mda LIli inventa o mundo... Depois de Lili, faltava ainda alguma coisa e não sabia o que era. As crianças brincariam com o lampião e depois cresceriam envelheceriam e etc... Ai pensei Mario fala muito na morte, por que não termos a morte em cena? Mas quem, como não tinhamos muitas atrizes a propria Lili Faria a morte e para diferenciar bem, a morte não falaria durante o espetáculo. ok continuamos. e um dos meninos disse, cléber, eu fico de fora da peça? Eu que não queria magoar ninguém, disse , não tu faz o anjo. Ele disse qual, mas no texto ainda não tem anjo. Ai eu disse está tudo em minha cabeça. Fui para casa e passei a noite tentando encontrar solução, parecia-me uma cópia. Só me vinha acabeça um cupido, mas como por em um espetáculo adulto um cupido feito por um ator adulto? Ai a dulce disse, não põe cupido, acho que tem que ser algo mais consistente, original. Quebramos cabeça. O resto do espetáculo ja estava quase pronto e nada. Em um ensaio eu disse Gelton, inprovise. Ele pegou o livro e começou a recitar algums poesias e ficou muito ruim, ai mandei ele entrar com a bengala e me dar e algo aconteceu. Nos arrepiamos e percebemos que ficaria legal. Ai ele disse Cléber, posso também entrar na cena final. Ai a Dulce disse, faça algo como em o lava pés de cristo ai eu disse sim, mas o que??? Ai lembrei de "A morte é quando finalmente podemos estar deitados de sapatos "e pensei vamos usar isto.

Na primeira apresentação em Sinimbú, não tinhamos ainda a cena final... terminava quando ele morria. Ai eu disse, ei alguém lembra do final da musica se esta rua? e um dos rapazes disse Acho que é Se roubei, se roubei teu coração... Eu disse claro. Vamos colocar isso quando o mario levantar e comentei com o pessoal Sabem que o grande tema do cinema é a volta para casa? Em Et em E o vento Levou em Dr. Jivago... Ok vamos fazer o mario voltando, mas o que seria essa casa? A infancia e portanto a brincadeira com as crianças...

O encontro mítico das mulheres de Lorca

Dulce Jorge e Kelen Padilha

O Palco teatral de Tapera...

O Conto da CarrocinhaO

Melhor Ator em Erechin - Cléber Lorenzoni


 Recebendo o troféu das mãos de Stella Bento

Melhor Ator coadjuvante em Erechin - Gabriel Wink

quinta-feira, 25 de março de 2010

Atuações Equivocadas -

É lógico que em cada ano algum integrante não alcançou o que se esperava ou se dedicou pouco ou se equivocou na construção de sua personagem... aqui os framboesas..


2009-A maldição do vale negro - Ricardo Fenner por Conde mauricio de belmont


2008-Ed Morte - Alessandra Souza por Menina de azul


2007-Um Inimigo -Angelica Ertel por Petra


Lili Inventa o mundo - Alessandra Souza por A rainha das Rainhas

Romeu e Julieta- Gelton por Mercuccio


2006-Esconderijos Do Tempo - Gelton Quadros por Malaquias

O castelo Encantado - Rafael por dono do circo

2005-O Incidente - Kellem Padilha por Shirley Terezinha

2004-Bodas de Sangue- Luis Lara por Leonardo

2003-Feriadão - Guto por Vovô
2002-Macbeth- Leonardo Mttos por Macduff


2001- Tartufo- Fabio Novelo por Valério

2000-Antígona- Não houve atuação equivocada

1999- O Conto da Carrocinha Ursula Macke por Palhacinha mãe

1998- Dorotéia -Vera Porto por Carmelita


1997-Bulunga o rei azul- Zenaide Perez por Mimi

1996-Cordélia Brasil-Dudu Gonçalves-por Rico


Diário de Bordo II - Lili inventa o Mundo em Tapera/RS

                            Todos seremos para sempre, para sempre insensíveis..




                   Ser um bom ator, trata-se de falar alto e com dicção? Trata-se de ter presença? De ser capaz de emocionar? De ser capaz de arrancar gargalhadas? De construir um personagem verossímel, compléxo e cheio de nuances? Ou são outras mil idiosincrasías que os próprios artistas inventaram, ou ainda não é nada disso?
                  Na apresentação do Grupo Máschara em Tapera, fiquei me perguntando o que seria atuar. E de que isso serviria em um local pouco ou nada adequado ao teatro.
                 Salvos o teatro de rua, a stand up, o show musical, a opereta e outras dessas criações que tiram o teatro do palco italiano e o colocam da tela do youtube ao campo  de futebol, o teatro é pensado para um momento de envolvimento, conexão entre público e atores. A mise en scène não suporta buzinas, estrondos, chuvas e gritarías. O teatro é como o cinema, com a diferença que seus artesãos estão alí, em sua frente, e sua matéria prima é seu corpo, sua mente, sua "saúde".
                 As pessoas que contratam o teatro, pouco ou nada sabem do fazer teatral, por isso tudo é dificil, é dificil montar seu cenário pois há sempre algo que a organização consideram mais importante, não da para  fazer uma boa iluminação ou sonorização, pois os técnicos locais são experts em shows musicais.
                 A platéia que é trazida nessas ocasiões, mal sabe para que veio, e é largada de qualquer forma mesmo que o teatro já tenha começado e ninguém se importa se a pobre criatura no palco precise, apesar dos ruídos deseducados, manter a atenção dos outros tantos que chegaram primeiro.
                O camarim pode ser sobre a terra, as atrizes não precisam de privacidade, os seguranças são preconceituosos. O que lhe pagam são miseros trocados que o ator precisa somar a outros "bicos". Na maioria das vezes não há nem mesmo água. Ao redor as pessoas observam o ator erguer caixas, escalar escadas e interagir com fios elétricos, sem nem sequer se oferecerem para auxiliá-los. Ainda assim, poucos minutos depois ele deverá ser extremamente cômico, emocionar e se fazer ouvir impecavelmente.
                 Em Tapera, a platéia foi desfavorecida pelo volume do espetáculo e pouco se ouviu da narrativa. Resolvido o dilema, prontamente a Cia. dispos-se a repetir a encenação. São artistas dignos! Mas será que o público queria ouvir? Havia lanche, havia brinquedos emborrachados e elásticos que ofendiam o momento lúdico sobre o tablado. Havia ruído, a triste guerra de ruidos que estressa professores, cança as crianças e só é vencido pelo poder dos microfones.
                Mas atores como Angelica Ertel e Cléber Lorenzoni movimentaram-se muito bem com os microfones na mão. Os coadjuvantes foram prejudicados por sua falta de presença. O falsete de Gabriel Wink por vezes tornou-se incompreensivel.A fragilidade com que Renato Casagrande encarou o público, fê-lo perder o dominio sobre a cena. Ainda assim o espetáculo desenvolveu-se vivaz, eletrizante e se ao menos uma criança na 10ªToca do coelho de Tapera tiver assimilado a frase de Lili -"Nós seremos para sempre, para sempre crianças..." - o teatro terá cumprido sua função. E talvez as professoras de amanhã não sejam como algumas que não conseguiram repetir a poesia do Pinhão Quentinho, refletindo tristemente que alguns adultos não tem uma criança em seu coração.

                                                                           É uma pena.

                                                                                               A Rainha.

terça-feira, 23 de março de 2010

Performance - Bibiana do Porto Dulce Jorge - 1995

O Primeiro troféu de Angelica Ertel

Diário de Bordo I - Esconderijos do Tempo em Santo Angelo (11/03/2010)

            ...Porque a magia acontece em qualquer lugar...

                       Quando nos ligam do IEACEN, para mais uma apresentação do EMANCIPAR, ficamos muito excitados, na expectativa quanto a qual cidade estará nos recebendo, para onde seremos enviados... Estará esse público preparado para nosso espetáculo? Saberá ele exercer seu papel de público?
Enfim, a cidade do momento era Santo Angelo, velha conhecida do grupo Máschara, la estivéramos em 2002 com FERIADÃO.
                         Depois de noventa minutos de viagem (pouco para quem já está acostumado a bancos de vãs), lá chegamos. Rodamos alguns kilometros até encontrarmos o Bairro João Goulart. Esse é o diferencial do EMANCIPAR, o teatro vai a bairros ou escolas do interior, em uma iniciativa maravilhosa do governo do estado, oferenco teatro à comunidades de baixa renda.
                         Quando paramos em frente a associação comunitária, confesso que assustei-me, pois o local parecia pouco maior que uma casa da COHAB, ora após nos informarem que a platéia seria de adultos, haviamos optados por apresentar Esconderijos do Tempo. Minha dúvida? Como criar o clima do espetáculo em um ambiente tão poco adequado.
                             Fomo recebidos por um homem de meia idade que msotrou-se prestativo e nos apresentou ao espaço. Havia cadeiras e mesas por todo lado, as paredes era pintadas de amarelo e janelas pequenas e pouco iluminadoras espalhavam-se por todo o ambiente. A um canto havia uma geringonça similar a um ventilador, que fazia um desagradavel ruído e lançava particulas de água ao redor.
                               Um diretor precisa tomar decisões rapidamente e foi o que fiz, mentalizei nosso cenário e ordenei que descarregassem nossa bagagem. Enquanto as atrizes Angelica Ertel, Dulce Jorge e Alessandra Souza montavam o cenário; Roberta Correa, Gabriel Wink e Tatiana Quadros empilhavam mesas. Pedi as crianças locais que organizassem as cadeiras.
                               A organização do evento (ogerizo esse termo) chegou pontualmente e embora muito amavel, esquecera o aparelho de som. Imaginei com meus botões, vai ser um "tour de force".
                                O calor parecia de 40 graus, o figurino é quente e a maquiagem pesada e apesar de nos apresentarmos em um lugar alternativo, não abro mão da perfeição. As pessoas não compreendem que não fazemos pelo dinheiro, apesar de ser nossa profissão. É como uma obrigação, uma missão, um sacerdócio que precisa ser bem executado, custe o que custar.
Às 15 horas, havia não mais que trinta pessoas espalhadas pelas 50 cadeiras, dos quais 20 eram crianças. Dulce Jorge me lembrou: -Deviamos ter trazido Lili Inventa o Mundo. - Mas não me preocupei, Esconderijos do Tempo é tão maravilhoso e envolvente que se adapta a qualquer público de qualquer idade.
Fui à cena às 15:15, lógo na primeira cena percebi que o calor atrapalharia, o público estava muito próximo o que tornava o momento mais caloroso. A atriz Tatiana Quadros não parecia muito absorta a cena e por pouco não me desconcentrou, dirigir e atuar é um arrojo. Já a cena com Angélica Ertel foi uma das melhores que a dupla vivenciou nos ultimos tempos. Houve muito jogo e o lado comico da cena agradou o público. Para quem faz teatro, essa é uma constatação, se você pega o público na primeira cena, aí fica fácil. Alessandra Souza começou desafinada, não é atriz para o canto, e seu solilóquio do peixinho foi atrapalhado por ruídos na platéia. Gabriel Wink e Dulce Jorge vieram com a garra de sempre, mas suas cenas foram prejudicadas pelo calor e não tive alternativa a não ser reduzir as cenas no ato. Os atores compreenderam, afinal as vezes o visual e a plástica são o suficiente para causar a reação esperada. Por fim Renato Casagrande  alcançou uma de suas melhores inspirações como anjo malaquias.
                              O aplauso demorou por vir, mas foi caloroso.
                              Encerramos o dia preparando o retorno, certos de que nossa oferenda alcançara os ouvidos de Dionísio e souberamos transformar aquele espaço distante de um teatro, longe do centro, rodeado de pessoas que nunca haviam visto teatro, em um templo da arte.
                                                                                                          
                                                                                            O diretor.

segunda-feira, 22 de março de 2010

Historias Extraordinárias - O santo Acorrentado

Programação festival de Itaqui

Programação

DIA:09/04/10
Sexta-feira

10 horas – Abertura oficial com a presença de autoridades.

10 h. e 30 min. – Ponto  e Vírgula
Peça – Pic Nic No Front
Categoria – Adulta
Cidade – Itaqui/RS
Direção – Luciano Santos e Patrick Morales

14 horas – Peppe Company
Peça – A Roupa Nova do Rei
Categoria – Infantil
Cidade – Santo Ângelo/RS
Direção – Paulo Resendez

16 horas – Projeto Criança em Cena
Peça – Os Saltimbancos
Categoria – Infantil
Cidade – Itaqui/RS
Direção – O Grupo

20 horas – Nóis Gurizada do Pequeno Circo Sem Lona
Peça – Novas Diretrizes para Tempo de Paz
Categoria – Adulta
Cidade – Uruguaiana/RS
Direção – Paulo Resendez

DIA:10/04/10
Sábado


10 horas – Grupo Teatral Mensageiros
Peça – “Lembra-te de Mim”
Categoria – Adulta
Cidade – Alegrete/RS
Direção – Vagner Souza

14 horas – Eu Teatro, Tu Teatrás?
Peça – Surrealice
Categoria – Infantil
Cidade – Uruguaiana/RS
Direção – Paulo Melo

16 horas – Dom de Semblantes Cia. Theatral
Peça – ir RITA ção
Categoria – Adulta
Cidade – Santiago/RS
Direção – Ângela Genro e Dinei Chagas

20 horas – Grupo Teatral Máscara
Peça – Livre Inspiraçãoda Peça “A Maldição do Vale Negro”
Categoria – Adulta
Cidade – Cruz Alta/RS
Direção – Cléber Lorenzoni





DIA:11/04/10
Domingo


10 horas – Artemágika
Peça – O Galo Tião e a Dinda Raposa
Categoria – Infantil
Cidade – Santiago/RS
Direção – Renato Polga

16 horas – Assossiação Teatral Agora Téspis
Peça – Olhos Mortos de Sono
Categoria – Adulta
Cidade – Uruguaiana/RS
Direção – Taiana Curvelo

19 h. e 30 min.  – Premiação e Encerramento











terça-feira, 16 de março de 2010

Indicadas a "Melhor Atriz" As vencedoras estão em destaque


2012

Dulce Jorge como Caroba em O Santo e a Porca - Ar tin Vento 7º Troféu


2008

Angélica Ertel como Lili em Esconderijos – 1º FETTEN – 7ª Indicação

Angélica Ertel como Glorinha em Esconderijos – 1º FETTEN – 5º Troféu


Angélica Ertel como Lili em Lili – 15º ERECHIN 4º Troféu


Angélica Ertel como Glorinha em Esconderijos – 15º ERECHIN 3º Troféu


Angélica Ertel como Lili em Lili – 10º DOMPA 2º Troféu


Angélica Ertel como Glorinha em Esconderijos- 10º DOMPA 1º Troféu


2006

Angélica Ertel como Glorinha em Esconderijos- 5º FESTSALTO 1º Indicação

2002

Dulce Jorge por Lady MacBeth em MacBeth-XIIIº FETARGS final 6º Troféu

Dulce Jorge por Lady MacBeth em MacBeth-XIIIº FETARGS semifinal 16ª Indicação

Dulce Jorge como Lady MacBeth em MacBeth- 16ºCANELA- 15ª Indicação

Dulce Jorge como Lady MacBeth em MacBeth -9º FERTAI- 14º Indicação

2001

Simone De Dordi como Dorina em Tartufo – VIº Santiago em cena- 1º Troféu

Dulce Jorge como Elmira em Tartufo- 8º FESTVALE – 13ª Indicação

Dulce Jorge como Elmira em Tartufo- 3º URUGUAIANA- 5º Troféu

Dulce Jorge como Elmira em Tartufo- VIIIº FERTAI – 12ª Indicação

2000

Dulce Jorge como Antígona em Antígona – XIº FETARGS-final 11ª Indicação

Dulce Jorge como Antígona em Antígona –Iº FESTSALTO – 10ª Indicação

Ariane Pedrotti como Coro em Antígona- XIº FETARGS-semifinal- 2ª Indicação

Dulce Jorge como Antígona em Antígona – XIº FETARGS – semifinal- 9º Indicação

Dulce Jorge como Antígona em Antígona – IVº Santiago em cena – 8ª Indicação

Dulce Jorge como Antígona em Antígona – 2º URUGUAIANA – 4º Troféu


Dulce Jorge como Antígona em Antígona – 2º ROSÀRIO EM CENA – 3º Troféu

1999

Simone De Dordi como Palhacinha em Carrocinha – 1º URUGUAIANA – 1ª Indicação

Ariane Pedrotii como Espanhola por Carrocinha -9º GUAÌBA – 1ª Indicação

1998

Dulce Jorge como Dorotéia em Dorotéia – Vº FERTAI - 5ª Indicação

1997

Dulce Jorge como Magnólia por Vulunga – VIIIº FETARGS semifinal 4ª Indicação

Carolina Monteiro como Mimi por Bulunga- 7º Guaíba – 1ª Indicação

Zenaide Perez como Mimi por Bulunga – IVº FERTAI – 1ª Indicação

Dulce Jorge como Bárbara por Um dia a casa cai- IVº FERTAI – 3ª Indicação

1996

Dulce Jorge como Cordélia por Cordélia Brasil- IIIº Fertai 2º Troféu

1994

Dulce Jorge como Bárbara em Um dia a casa cai- Vº FETARGS semifinal 1º Troféu

A Impagável Dulce Jorge

FOTO : RÔMULO SEITENFUS


Dulce Jorge a "diva" do grupo Teatral Máschara, 18 anos de Palco,  25 indicações, 13 troféus, 13 espetáculos, 4 Direções

Ed Mort e Penélope
















Cléber Lorenzoni e Dulce Jorge

Marcele franco recebendo troféu em Dom Pedrito

Marcele Franco

Teatro de rua


Lauanda Varone e Cléber Lorenzoni 

Em cena Lauanda Varone a "Dorina"


Lauanda Varone como a segunda Dorina da montagem de Tartufo (Molière)

O Castelo Encantado

Em Jarí



Cléber Lorenzoni - Gelton Quadros - Miriam Kempfer  - Lauanda Varone -  Rafael Aranha - Alexandre Dill - Cristiano Albuquerque



Sucesso com o público Infantil

Gelton Quadros recebendo seu primeiro troféu Como ator coadjuvante em Dom Pedrito


Agosto/2008

Divulgação de Ed Mort


Em cena, Angelica Ertel (bibi) e Gabriel Wink (contrabandista)

segunda-feira, 15 de março de 2010

A estréia de Esconderijos do Tempo 12 de maio de 2006


Cléber Lorenzoni e Rafael Aranha

Indicadas a "Melhor Atriz Coadjuvante" As vencedoras estão destacadas.


2012

Alessandra Souza por Rosinha  em O Santo e a Porca -Art in vento - 2ª Indicação

2009

Dulce Jorge por D. Quitéria em O Incidente 11º DOMPA 10º Indicação

Alessandra Souza por Rita em O Incidente 11º DOMPA 1º Troféu

2008

Dulce Jorge por D. Glorinha em Esconderijos 1º FETTEN 7º Troféu


Tatiana Quadros por Fada Mascarada em Lili XVº ERECHIN 1º Troféu


Dulce Jorge por D. Glorinha em Esconderijos XVº ERECHIN 6º Troféu

Tatiana Quadros por Fada Mascarada em Lili 10º DOMPA 1ª Indicação

Dulce Jorge por D. Glorinha em Esconderijos 10º DOMPA 5º Troféu

2007

Dulce Jorge por D. Glorinha em Esconderijos 11º FERTAI 4º Troféu

Angélica Ertel por Glorinha em Esconderijos 11º FERTAI 1ª Indicação

2006

Kellem Padilha por Lili em Esconderijos do Tempo 5ºFESTSALTO 1ª Indicação

2003

Lauanda Varone por Criada em Bodas de Sangue Xº FERTAI 1ª Indicação

Dulce Jorge por Mãe em Bodas de Sangue Xº FERTAI 3º Troféu

2002

Simone De Dordi por Lady Macduff em MacBeth XIIIº FETARGS Final 9ºTroféu

Simone De Dordi por Lady Macduff em MacBeth XIIIº FETARGS 13º Indicação

Simone De Dordi por Lady Macduff em Macbeth 16º CANELA 8º Troféu

Simone De Dordi por Dorina em tartufo 2º FESTSALTO 7º Troféu

Marcele Franco por Mariana em Tartufo 2º FESTSALTO 7ª Indicação

Dulce Jorge por Elmira em tartufo 2º FESTSALTO 4º Indicação

Simone De Dordi por Lady Macduff em MacBeth -9º FESTVALE 10ª Indicação

Simone De Dordi por Lady Macduff em MacBeth -9º FERTAI 6º Troféu

2001

Marcele Franco por Mariana em Tartufo – XIIº FETARGS –final Caxias 2º Troféu


Dulce Jorge por Elmira em Tartufo – VIº Santiago em cena- 2º Troféu

Marcele Franco por Mariana em Tartufo – VIº Santiago em cena – 5ª Indicação

Simone De Dordi por Dorina em Tartufo – XIIº FETARGS – semifinal -5º Troféu

Simone De Dordi por Dorina em Tartufo – 8º FESTVALE – 4º Troféu

Marcele Franco por Mariana em Tartufo – 3º Uruguaiana – 4ª Indicação

Simone De Dordi por Dorina em Tartufo – 3º Uruguaiana – 3º Troféu

Simone De Dordi por Dorina em Tartufo – VIIIº FERTAI – 5ª Indicação

Marcele Franco por Mariana em Tartufo – VIIIº FERTAI – 1º Troféu

2000

Simone De Dordi por Tirésias em Antígona – XIº FETARGS- final – 4º Indicação

Ariane Pedrotti por Coro em Antígona – XIª FETARGS- final – 3º Troféu


Ariane Pedrotti por Coro em Antígona – 1º FESTSALTO - 2º Troféu

Marcele Franco por Ismênia em Antígona – IVº Santiago em Cena- 2º Indicação

Ariane Pedrotti por Coro em Antígona – 2º Uruguaiana – 3ª Indicação

Simone De Dordi por Tirésias em Antígona – 2º Uruguaiana – 2º Troféu

Ariane Pedrotti por Coro em Antígona – 2º Rosário em cena- 2º Indicação

Simone De Dordi por Tirésias em Antígona – VIIºFERTAI – 1º Troféu

1999

Marcele Franco por Palhacinha em Carrocinha-1º Uruguaiana – 1ª Indicação

Ariane Pedrotti por Espanhola em Carrocinha – 1º Uruguaiana – 1ª Troféu

Simone De Dordi por Palhacinha em carrocinha – 3º Santiago em cena – 1º Indicação

1997

Dulce Jorge por Magnólia em Bulunga o rei azul- IVº FERTAI – 1º Troféu

1994

Dulce Jorge por Bárbara em Um Dia a casa cai – Iº FERTAI – 1º Indicação

domingo, 14 de março de 2010

OS INDICADOS A "MELHOR ATOR COADJUVANTE" Em destaque os vencedores


2012

Renato Casagrande por Cachorro em Os Saltimbancos no Art In vento - 2ª Indicação

2010

Gabriel Wink como Ágatha, Rafael, Vassili em Maldição no XIº Festival de Itaqui- 2º Troféu

2009

Gabriel Wink por Menandro em O Incidente em XIº DOMPA 3ª Indicação


2008

Renato Casagrande por Mathias em Lili em XVº ERECHIN 1º Indicação

Gabriel Wink por Gouvarinho em Esconderijos em XVº ERECHIN 1º Troféu

Gabriel Wink por Gouvarinho em Esconderijos em 1º FETTEN 1ª Indicação

Gelton Quadros por Malaquias em Lili Xº DOMPA 1º Troféu

2007

Gelton Quadros por Malaquias em Esconderijos XIº FERTAI 1ª Indicação

2006

Rafael Aranha por Gouvarinho em Esconderijos 4º FESTSALTO 1ªIndicação

2003

Luís Lara por Leonardo em Bodas em Xº FERTAI 4ª Indicação

2002

Luís Lara por Bancco em MacBeth em XIIIº FETARGS final 3ª Indicação

Jorge Pittan por Duncan em MacBeth em XIIIº FETARGS final 2º troféu

Alexandre Dill por Macduff em MacBeth em XIIIº FETARGS final 11ª Indicação

Luís Lara por Bancco em MacBeth em XIIIº FETARGS semifinal 2ª Indicação

Luís Lara por Bancco em MacBeth 16º Canela 1ª Indicação

Alexandre Dill por Macduff em MacBeth 16º Canela 5º Troféu

Jorge Pittan por Duncan em MacBeth 9ºFESTVALE 1º Troféu

Alexandre Dill por Bancco em MacBeth 9º Fertai 9º Indicação

2001

Alexandre Dill por Orgon em Tartufo XIIº FETARGS final 4º toféu

Alexandre Dill por Orgon em Tartufo XIIº FETARGS semifinal 7ªIndicação

Alexandre Dill por Orgon em Tartufo 3º Uruguaiana 6ª Indicação

2000

Alexandre Dill por Hêmon em Antígona 1º Festsalto 3º Troféu

Alexandre Dill por Hêmon em Antígona 4º Santiago em cena 4ª Indicação

Alexandre Dill por Hêmon em Antígona 2º Uruguaiana – 2º troféu

Alexandre Dill por Hêmon em Antígona 7º Rolante – 2ª Indicação

1999

Alexandre Dill por Malabarista em O Conto da carrocinha 1º Uruguaiana -1º troféu

Cléber Lorenzoni por Palhacinho em O Conto da Carrocinha 3º Santiago em Cena-4ª indicação

1998

Cléber Lorenzoni por D. Flávia em Dorotéia Vº FERTAI-2º troféu

1997

Cléber Lorenzoni por Fada Morgana em Bulunga o Rei Azul IVº FERTAI-1ºtroféu

1996

João Paulo Perez por Tudo Azul em Bulunga o Rei Azul VIIº FETARGS – 1ºtroféu

Cléber Lorenzoni por Rico em Cordelia Brasil IIIº FERTAI- 1ª indicação

segunda-feira, 8 de março de 2010

Sinopse de A maldição do Vale Negro

A Maldição do Vale Negro


             A maldição do Vale Negro de Caio Fernando Abreu, serve de inspiração para esse besteirol que homenageia os grandes folhetins, os romances de época e as novelas mexicanas. No palco, três atores vivem figuras misteriosas, vilões, ciganos e mulheres loucamente apaixonadas em um exercício de criatividade e versatilidade cênica.

Recebendo reconhecimento da câmara de vereadores

Monique, Vereador Luís Noé, Dulce Jorge, Marcele Franco, Luís Fernando Lara, Cléber Lorenzoni, Lauanda Varone e Ricardo Fenner

sexta-feira, 5 de março de 2010

O Incidente Em Dom Pedrito Agosto/2009

Em cena, Cléber Lorenzoni, Dulce Jorge, Gabriel Wink, Luis Fernando Lara, Renato Casagrande, Tatiana Quadros, Gelton Quadros e Roberta Correa

O Encontro com as Glorinhas

O sexto Valério do espetáculo Tartufo

Fábio Novello, Diego Barcellos, Leonardo Mattos, Luís Fernando Lara, Rafael Aranha,