sexta-feira, 30 de junho de 2017

Elenco de O Santo e a Porca ao lado de alunos do colégio Santíssima Trindade


Mas o que realmente é o "trabalho do ator" desenvolvido no Máschara

O que é o TREINAMENTO?


 Ora, grande parte dos grupos que surgiu nas décadas de 80 e 90, praticou e ainda pratica o treinamento do ator. Porém tanto naquele período como ainda hoje, atores e coletivos teatrais oscilam entre uma aceitação cega e apaixonada, e uma negação total e absoluta. No entanto é necessário esclarecer qual o sentido do treinamento. O termo training surge com intensidade nos livros de Grotowski, Barba, Brook e Oida. A noção de treinamento, está ligada às transformações que ocorreram no campo teatral, as quais envolveram igualmente o ator e sua formação. As práticas de treinamento romperam com a formação dada nas escolas, por intermédio do trabalho de numerosos diretores pedagogos como Stanislavski, Meyerhold, Vakhtangov, Craig, Copeau, Jouvet, Decroux, Lecoq, entre outros. Esses diretores pedagogos, desde o inicio do século 20, ofereceram novas bases pedagógicas para o aprendizado do ator, incluindo nessa nova pedagogia, não apenas uma preparação física para o ator, mas também uma educação mais completa capaz de desenvolver o corpo, o espirito e o caráter dos atores. Esses reformadores objetivaram ainda, permitir ao ator, por intermédio do treinamento, um estado  de criatividade sobre a cena. Assim, para o trabalho do ator, nasceu a noção de treinamento que se confunde com a da pedagogia, um espaço que possibilita a exploração e a construção de novas formas de criar. Era nessa linha que Burnier conduzia seus estudos. 
Sendo assim sempre procurei um desenvolver técnicas, exercícios, dinâmicas que oferecessem aos meus atores além da descoberta física e mecânica,  algo capaz de trabalhar o universo interior do ator, e sobretudo os canais de comunicação entre eles. Isso de maneira sistemática e disciplinada.  
O teatro compreende muito mais que o exercício da cena ou a encenação propriamente dita. O ator atual, quase sempre em idade muito jovem, precisa desenvolver todos os sentidos, sofrer uma chuva de questionamentos, debater-se e embater-se em possibilidades físicas. Analisar a psicologia dos que o cercam e de certa forma ser um ser melhor. Não basta para falar da humanidade ser um grande ator, é precisos ser um grande homem.

Sete troféus representando Cruz Alta



Mais uma conquista dentre as tantas que a Cia. Máschara de  Teatro sempre alcança quando representa Cruz Alta pelos palcos mundo a fora. Dessa vez foi no Cena Viva, festival de teatro de Santa Rosa organizado pelo SESC daquela cidade em parceria com o IEACEN- Instituto Estadual de Artes Cênicas. Durante uma semana grupos de teatro de vários lugares apresentaram o que de melhor vem sendo criado nas artes cênicas. Castelo Encantado, texto de Cléber Lorenzoni e Dulce Jorge que homenageia Erico Verissimo foi premiado com sete troféus, Melhor Figurino, Melhor Maquiagem, Melhor Sonoplastia (Gabriel Giacomini), Melhor Ator Coadjuvante ( Renato Casagrande) Melhor Ator (Cléber Lorenzoni), Melhor Diretor (Cléber Lorenzoni) e ainda Melhor Espetáculo (Castelo Encantado). As atrizes Raquel Arigony e Alessandra Souza também foram mencionadas por seu trabalho belíssimo no espetáculo. Segundo Cléber Lorenzoni, troféus não são coisas de suma importância para o grupo. O importante mesmo é o trabalho realizado junto ao público. Por outro lado os troféus solidificam nosso trabalho com embasamento técnico e teórico, provando que nosso teatro é serio e de primeira qualidade.

O ator Renato Casagrande com seu troféu de Melhor Ator Coadjuvante no Cena Viva


Os alunos Wesley Lechinski e Luana Brasil em cena densa na ESMATE


Renato Casagrande e Alessandro J. em exercício cênico da ESMATE


Cléber Lorenzoni e Renato Casagrande em Inquebrantável, coreografia de Raquel Arigony


Kadu e Nicolle, alunos do Mais Educação se preparando para apresentação


quarta-feira, 28 de junho de 2017

O Castelo Encantado - tomo 127 (772)

Mais teatro infantil, pois é preciso...

                            Infelizmente quando um adulto constata algo que não lhe agrada, diz logo:"É  muito chato, é bom para criança". O teatro infantil, ou melhor dizendo, o teatro para crianças, é um instrumento da maior significação na formação cultural e artística do indivíduo, e é preciso que o teatro apresentado às crianças seja da melhor qualidade possível para que não se comprometa de forma permanente o critério de qualidade que está em formação.
                            Os pais deveriam se perguntar quantas vezes levam os filhos no teatro em busca de uma atividade de contribuição positiva na formação da criança como individuo e quantas vezes os levam puramente por que não sabem o que fazer com eles em um sábado ou domingo a tarde.
                             O critério escolhido para a ida ao teatro, naturalmente, é muito importante, pois não só a participação consciente e responsável do adulto seria muito mais requestada como também deveriam ser exigidos muito mais ainda critérios de qualidade nas produções de teatro para crianças...
                           O Máschara por exemplo sempre teve um cuidado muito grande com tudo o que leva a cena, exemplo disso é o trabalho delicadamente orquestrado em Castelo Encantado. O espetáculo que recentemente esteve no palco do Cena Viva - Festival de Santa Rosa - nos ofertou uma belíssima construção dramatúrgica e cênica. As vezes o dramaturgo nos oferece um lindo texto, mas o encenador/diretor estraga-o com suas ideias mirabolantes, outras vezes o encenador se descobre totalmente prejudicado por um texto vergonhosamente escrito por um dramaturgo despreparado. Cléber Lorenzoni e Dulce Jorge arquitetaram o texto de Castelo Encantado na década passada e muitos foram os atores que já participaram da montagem. (Gelton Quadros, Miriam Kempfer, Roberta Corrêa, Gabriel Wink, Cristiano Albuquerque, Kelem Padilha, Lauanda Varone, Newton dos Reis, Nando Lara, Alexandre Dill, Rafael Aranha, e talvez outros que posso ter me esquecido. O fato é que o espetáculo que vemos hoje em cena, é reflexo da criatividade e talento de muitos atores. 
                           A premissa é simples, uma menina, Rosa Maria, apresenta dificuldade em imaginar, tão logo, um grupo de contadores de historias conduz a menina pela obra de Erico Verissimo. Personagens vão criando vida de uma forma lúdica e bastante simples e alcançam grande mérito nas mãos dos criativos atores da Cia. Máschara, embora o universo inicial seja o quarto da menina, rapidamente parecemos viajar pelo mundo, Asia, África, Índia...
                           Rosa Maria certamente está sonhando, algo que se comprova na ultima cena, quando ela volta a dormir enquanto os contadores desaparecem. Durante os quase cinquenta minutos de espetáculo, animais, crianças, vilões e mocinhos vão interagindo, quebrando a quarta parede e divertindo a platéia que ainda que estivesse formada em sua maioria por pré-adolescentes, deixou-se levar pelas divertidas peripécias dos contadores de historias.
                             Assim como as heroínas Alice e Doroty em outras obras famosas, Rosa Maria vai tentando compreender uma gama de criaturas fantásticas que enquanto divertem, questionam o mundo a sua volta. Egoísmo, ciúme, solidão, vaidade, medo, e até diversidade, são alguns dos temas abordados pelo espetáculo. A catarse de Rosa Maria reside em acreditar que podemos ser/ter qualquer coisa. E assim deve ser, as crianças precisam ser motivadas a crer em seu potencial. A não ter medo de errar, de ousar... 
                               A mensagem, o olhar emocionado da criança cumpre a função do teatro, mas falta ainda a técnica. O teatro é feito de técnicas, pois ainda que seja arte, seus operários precisam estar bem preparados, e estão. Cléber Lorenzoni encabeça o time, e consolida-se como ator infantil, apresentando personagens inesquecíveis como o Elefante Basílio e o Ursinho com música na barriga. Acredito, aliás, que o mais interessante no que tange esse ator, é analisarmos seu trabalho corporal, a forma como diferencia cada uma das cinco figuras que carrega. Cléber ainda apresenta sonoridades muito especificas em cada  criatura, nos lembrando que interpretar está completamente ligado à transformação. Casagrande é o ator mais esforçado da Cia. e segue os passos de seu mentor. Iniciado pelo antigo Núcleo de Teatro da Casa de Cultura, Renato aprendeu a fazer teatro com o mote: O ator nasce do cansaço (Artaud). Seu trabalho de comunicador é muito eficaz, o que se percebe através da triangulação direta com o público. Renato só não pode relaxar na busca pelo saber teórico. Teatro tem muito a ver com compreensão humana, com psicologia, com intelecto.
                              Evaldo Goulart adentrou a cena cheio de garra, algo indispensável para um bom ator. Deve no entanto nutrir-se sempre de conhecimento, de perícia no que faz. Ser um bom ator, está totalmente conectado à maturidade, com  prática. Quanto mais itens há na esfera pessoal de cada ator, mais preparo ele terá para cumprir sua sagrada função. 
                                 O trabalho de Raquel Argony e Gabriel Giacomini traz à cena o novo, percebe-se as vezes um pouco da insegurança de quem está há pouco dando vida as personagens de Erico, no entanto ser bom ator é saber alcançar o ritmo dos colegas de cena. A presença de Arigony como a Dona do Circo é impagável, falta um pouco talvez de acabamento, e jogo com a colega Alessandra Souza, algo que certamente com mais apresentações será alcançado. Raquel denota insegurança apenas nos momentos de canto, algo que percebo inclusive em Giacomini. O jovem ator trouxe um colorido todo especial para o espetáculo. Sua trilha presente, seus instrumentos sendo tocados no palco, acrescentam um vigor muito especial, não é nada vanguardista, porém é novo no trabalho do Máschara, isso se não levarmos em conta o coral presente em cena em Bulunga o Rei Azul. Gabriel é cheio de intuição e vimos muito disso em sua interpretação, mas é preciso aprofundar a técnica.
                                 Alessandra Souza é a protagonista, durante muitos anos os protagonistas do Máschara foram apenas Dulce Jorge e Cléber Lorenzoni. Por que? Por que um protagonista precisa dar o lastro para toda a equipe a sua volta. Precisa ser escada e precisa aceitar escalar as escadas propostas pelos colegas. É preciso conhecer cada cena, uni-las. É preciso construir a curva dramática. Souza lapidou sua técnica já há muito tempo, precisa apenas tomar cuidado para não estagnar. Nunca é tarde para aprender, e um ator deve aprender sempre. Lidamos com a vida humana e a vida humana é constante de mudança, evolução. Aprecio o espetáculo e gosto muito da personalidade que a atriz construiu para Rosa Maria, no entanto a curva dramática precisa ser mais apurada, é preciso dar acabamento a interlocução entre a menina e as criaturas fantasiosas. Talvez um pouco mais de introspecção, características de Alice e Doroty,  ajudassem Rosa Maria. Há em alguém capaz de tanta imaginação, algo de misterioso, algo que os outros não compreendem. 
                               O Castelo Encantado é a quinta montagem infantil do Máschara e se mantém evoluindo. Aliás cada ensaio, cada performance, cada encenação é momento para aprimorar. Essa é nossa busca, diária, eterna. Lapídar-se em prol do maior. 
                                      Fabio Novello não conseguiu repetir seu brilhante trabalho como em ocasiões anteriores, possivelmente devido a pouca parafernália teatral presente no local dessa ultima apresentação, mas sua correria em busca de um cenário ao lado de Douglas Maldaner e uma luz precisa  foram percebidas. 
                          Castelo Encantado é um desses espetáculos que sempre dá vontade de ver novamente, com direção cuidadosa de Cléber Lorenzoni e trabalho de cena bem observado por Dulce Jorge, uma aula de criação sutil, feita ali, atras da cortininha de retalhos, comprovando o ponto de vista do Senhor Grotowski, que para acontecer teatro precisa apenas de bons atores e boa historia.


Alessandra Souza - **
Cléber Lorenzoni ***
Reanto Casagrande ***
Raquel Arigony **
Gabriel Giacomini ***
Evaldo Goualrt **
Douglas MAldaner ***
Fabio Novello **
Arte é Vida

                          A Rainha





                      
                              
             

Grupo Máschara em pose especial pós apresentação de Castelo Encantado


Premiação Cena Viva - Castelo Encantado com dez indicações e sete troféus

VENCEDORES DO CENA VIVA 2017
A Secretaria de Desenvolvimento de Cultura e Esporte torna público a relação dos indicados e vencedores nas categorias adulto e infantil do CENA VIVA 2017 - Festival de Teatro de Santa Rosa. O evento realizado no Teatro do Sesc da cidade de Santa Rosa/RS de 21 a 24 de junho. A edição do CENA VIVA teve como avaliadores Dejayr Ferreira Figueira, Rodrigo Rocha Gonçalves e Stella Bento.

PREMIAÇÃO CATEGORIA INFANTIL:
1-Melhor Espetáculo Infantil
COM AMOR E PULGAS
O MENINO DO DEDO VERDE
CASTELO ENCANTADO



2-Melhor Direção Infantil
COM AMOR E PULGAS
O MENINO DO DEDO VERDE
Cléber Lorenzoni por CASTELO ENCANTADO



3-Melhor Ator
LUCIANO RODRIGUES POR COM AMOR E PULGAS
CLEBER LORENZONI POR CASTELO ENCANTADO



4-Melhor Atriz
LAIS DAMER POR O MENINO DO DEDO VERDE
ALESSANDRA SOUZA POR CASTELO ENCANTADO



5-Melhor Ator Coadjuvante
NAIJAN MESSA POR COM AMOR E PULGAS
PEDRO CIERVO POR DEUA A LOUCA NOS CONTOS DE FADA
RENATO CASAGRANDE POR CASTELO ENCANTADO



6-Atriz Coadjuvante
ULIANA ZAMBON POR O MENINO DO DEDO VERDE
RAQUEL ARIGONNY POR CASTELO ENCANTADO



7-Melhor Cenário 

ROGERIO PEPPE POR COM AMOR E PULGAS 
ALBERTO RODRIGUES POR O MENINO DO DEDO VERDE
Cléber Lorenzoni por CASTELO ENCANTADO



8-Melhor Figurino
LUCIANO RODRIGUES, PRISCILA CARDOSO E EVA CARDOSO POR COM AMOR E PULGAS
DOUGLAS PEREIRA POR A INCRIVEL HISTORIA DA PRINCESA FEIURINHA
Dulce Jorge por CASTELO ENCANTADO



9-Melhor Iluminação
NÃO HOUVE INDICADOS APENAS O VENCEDOR
UILIAN GUTERRES POR O MENINO DO DEDO VERDE



10-Melhor Sonoplastia
VANESSA GIOVANELLA E RONALDO PALMA POR O MENINO DO DEDO VERDE
GABRIEL GIACOMINI POR CASTELO ENCANTADO



11-Melhor Maquiagem
FABIANE KOASKI E LUCIANO RODRIGUES POR COM AMOR E COM PULGAS
DANIELE ORTEGA POR A INCRIVEL HISTORIA DA PRINCESA FEIURINHA
PAULO MELO POR TÔ CHOCO
CASTELO ENCANTADO



12 – PREMIO ESPECIAL DO JÚRI: SESC

terça-feira, 27 de junho de 2017

Atores coadjuvantes - Indicações e Premiações

2019

Renato Casagrande por A Roupa Nova do rei - 4º Cena ViVa - 3º Troféu

Gabriel Giacomini por a Roupa Nova do Rei - 4º Cena ViVa- 3ª Indicação

2018

Gabriel Giacomini por A Paixão de Cristo - Melhores do Ano - 1º Troféu

Douglas Maldaner por Lendas - Melhores do Ano - 2ª Indicação

Stalin Ciotti por A Paixão de Cristo - Melhores do Ano - 1ª Indicação

2017

Renato Casagrande por A Roupa Nova do Rei - Melhores do Ano 2º Troféu

Renato Casagrande - Por Castelo Encantado - Cena Viva -1º Troféu

2016

Douglas Maldaner por Alcebíades em Olhai -Cena Viva - 1ª Indicação



Ricardo Fenner por Angelo em Olhai - Cena Viva - 1º Troféu



Renato Casagrande por Ernesto Fontes em Olhai - Cena Viva - 3ª Indicação



Ricardo Fenner por Conde/Jezebel em A Maldição -1ºFestival da cidade dos anjos - 1ª Indicação


2012


Renato Casagrande por Cachorro em Os Saltimbancos no Art In vento - 2ª Indicação

2010

Gabriel Wink como Ágatha, Rafael, Vassili em Maldição no XIº Festival de Itaqui- 2º Troféu

2009

Gabriel Wink por Menandro em O Incidente em XIº DOMPA 3ª Indicação


2008

Renato Casagrande por Mathias em Lili em XVº ERECHIN 1º Indicação

Gabriel Wink por Gouvarinho em Esconderijos em XVº ERECHIN 1º Troféu

Gabriel Wink por Gouvarinho em Esconderijos em 1º FETTEN 1ª Indicação

Gelton Quadros por Malaquias em Lili Xº DOMPA 1º Troféu

2007

Gelton Quadros por Malaquias em Esconderijos XIº FERTAI 1ª Indicação

2006

Rafael Aranha por Gouvarinho em Esconderijos 4º FESTSALTO 1ªIndicação

2003

Luís Lara por Leonardo em Bodas em Xº FERTAI 4ª Indicação

2002

Luís Lara por Bancco em MacBeth em XIIIº FETARGS final 3ª Indicação

Jorge Pittan por Duncan em MacBeth em XIIIº FETARGS final 2º troféu

Alexandre Dill por Macduff em MacBeth em XIIIº FETARGS final 11ª Indicação

Luís Lara por Bancco em MacBeth em XIIIº FETARGS semifinal 2ª Indicação

Luís Lara por Bancco em MacBeth 16º Canela 1ª Indicação

Alexandre Dill por Macduff em MacBeth 16º Canela 5º Troféu

Jorge Pittan por Duncan em MacBeth 9ºFESTVALE 1º Troféu

Alexandre Dill por Bancco em MacBeth 9º Fertai 9º Indicação

2001

Alexandre Dill por Orgon em Tartufo XIIº FETARGS final 4º toféu

Alexandre Dill por Orgon em Tartufo XIIº FETARGS semifinal 7ªIndicação

Alexandre Dill por Orgon em Tartufo 3º Uruguaiana 6ª Indicação

2000

Alexandre Dill por Hêmon em Antígona 1º Festsalto 3º Troféu

Alexandre Dill por Hêmon em Antígona 4º Santiago em cena 4ª Indicação

Alexandre Dill por Hêmon em Antígona 2º Uruguaiana – 2º troféu

Alexandre Dill por Hêmon em Antígona 7º Rolante – 2ª Indicação

1999

Alexandre Dill por Malabarista em O Conto da carrocinha 1º Uruguaiana -1º troféu

Cléber Lorenzoni por Palhacinho em O Conto da Carrocinha 3º Santiago em Cena-4ª indicação

1998

Cléber Lorenzoni por D. Flávia em Dorotéia Vº FERTAI-2º troféu

1997

Cléber Lorenzoni por Fada Morgana em Bulunga o Rei Azul IVº FERTAI-1ºtroféu

1996

João Paulo Perez por Tudo Azul em Bulunga o Rei Azul VIIº FETARGS – 1ºtroféu

Cléber Lorenzoni por Rico em Cordelia Brasil IIIº FERTAI- 1ª indicação

Grupo Máschara e equipe de jurados do Cena Viva


Gabriel Giacomini recebendo seu primeiro troféu em Castelo Encantado


Premiações e Indicações na categoria ator

2017

Cléber Lorenzoni por seu trabalho em Castelo Encantado - 3º Cena Viva - Santa Rosa  - 21º Troféu
2016

Cléber Lorenzoni como Dr.Eugênio Fontes no 2º Cena Viva - Santa Rosa -21º Troféu
2015

Cléber Lorenzoni como Rosalinda no 1º Festival da Cidade dos Anjos (Santo Angelo) 34ª Indicação

2014

Cléber Lorenzoni como Fred em Feriadão no FESTVALE (Rolante) 33ª Indicação
2012

Cléber Lorenzoni como Ericão - no Art in Vento de Osório 19º Troféu

Cléber Lorenzoni como Gata  no Art in vento de Osório - 31ª Indicação.

2010


Cléber Lorenzoni como Rosalinda - no Art in Vento de Osório 18º Troféu

Gabriel Wink como Ágatha,`Vassili e Rafael no Art in Vento de Osório -1ª Indiação

Cléber Lorenzoni como Rosalinda e Úrsula - 11ºFestival de Itaqui- 29ª Indicação

2008

Cléber Lorenzoni por Sr. Poeta em Lili – 1º FETTEN – 28ª Indicação

Cléber Lorenzoni por Mario em Esconderijos – 1º FETTEN- 17º Troféu

Cléber Lorenzoni por Sr. Poeta em Lili – XVº Erechin – 16º Troféu

Cléber Lorenzoni por Mario em Esconderijos – XVº Erechin – 15º Troféu

Cléber Lorenzoni por Sr. Poeta em Lili – 10º DOMPA – 14º Troféu

Cléber Lorenzoni por Mario em Esconderijos – 10º DOMPA – 13º Troféu

2007

Cléber Lorenzoni por Mario em Esconderijos – 14º FERTAI – 12º Troféu

2006
Cléber Lorenzoni por Mario em Esconderijos – 5º FESTSALTO – 11º Troféu

2003

Cléber Lorenzoni por Noivo em Bodas de Sangue –Xº FERTAI – 20ª Indicação

2002

Cléber Lorenzoni por MacBeth em MacBeth – XIIIº FETARGS – final 10º Troféu

Cléber Lorenzoni por MacBeth em MacBeth – XIIIº FETARGS – 18ª Indicação

Cléber Lorenzoni por MacBeth em MacBeth- 16º CANELA – 9º Troféu

Cléber Lorenzoni por Tartufo em Tartufo- 2º FESTSALTO – 8º Troféu

Cléber Lorenzoni por MacBeth em MacBeth –9º FERTAI – 7º Troféu

2001

Cléber Lorenzoni por Tartufo em Tartufo –XIIº FETARGS final – 6º Troféu

Alexandre Dill por Orgon em Tartufo –VIº Santiago em cena- 1º Troféu

Cléber Lorenzoni por Tartufo em Tartufo – VIº Santiago em cena – 13º Indicação

Cléber Lorenzoni por Tartufo em Tartufo – XIIº FETARGS – semifinal -12º Indicação

2000

Cléber Lorenzoni por Creonte em Antígona – XIº FETARGS –Final 11ª Indicação

Cléber Lorenzoni por Creonte em Antígona – Iº FESTSALTO – 10ª Indicação

Cléber Lorenzoni por Creonte em Antígona – XIº FETARGS –Semifinal 5º Troféu

Cléber Lorenzoni por Creonte em Antígona – IVº Santiago em cena- 4º Troféu

Cléber Lorenzoni por Creonte em Antígona – 2º Uruguaiana – 3º Troféu

Cléber Lorenzoni por Creonte em Antígona – 2º Rosário sem Cena- 6ª Indicação

1999

Cléber Lorenzoni por Palhacinho em Carrocinha – 1º Uruguaiana – 2º troféu

Cléber Lorenzoni por Palhacinho em Carrocinha – 9º Guaíba – 4ª Indicação

Cléber Lorenzoni por Palhacinho em Carrocinha – VIºFERTAI - 3ª Indicação

1998

Cléber Lorenzoni por D.Flávia em Dorotéia – IXº FETARGS semifinal 2ª Indicação

1997

Alexandre Dill por Tudo Azul em Bulunga – VIIIº FETARGS semifinal 1ª Indicação

Cléber Lorenzoni por Morgana em Bulunga VIIIº FETARGS semifinal 1ª Troféu

Diulio Penna por Bulunga em Bulunga – 7º Guaíba – 5ª Indicação

Diluio Penna por Andre em Um dia a casa cai – IVº FERTAI – 4ª Indicação

Diulio Penna por Bulunga em Bulunga – IVº FERTAI -1º Troféu

1996

Diulio Penna por Bulunga em Bulunga – VIIº Fetargs semifinal- 2ª Indicação

Diulio Penna por Leônidas em Cordélia Brasil – IIIº FERTAI – 1ª Indicação

1995

Eduardo Gonçalves por Júpiter em O dia em que Júpiter encontrou Saturno – IIº FERTAI – 2ª Indicação

1994

Eduardo Gonçalves por André em Um dia a casa cai-1º FERTAI -1ª Indicação

Alessandra Souza em Castelo Encantado


domingo, 18 de junho de 2017

Minha historia de natal


As atrizes Dulce Jorge, Tatiane Quadros e Fernanda Peres em Tartufo de Molière


Poseidon e Têmis


segunda apresentação de Eu Quero Ser Criança


Maria Antonia e Alessandra Souza na cena A Chantagem

-Tomei conhecimento de que querias falar comigo...

Aula de Composição

O Monte Olimpo
Zeus- Marcelo Padilha                                            Atenas - Maria Antônia
Héstia- Alessandra Souza                                       Melpomene - GiuliaCosta
Hera - Clara Devi                                                    Thalia - Luisa                                       
Afrodite - Laura Hoover                                         Ares - Stalin Ciotti
Eros -Filipe Padilha                                                Esculápio -  Gabriel Giacomini
Poseidon - Renato Casagrande                               Hermes - João Pedro
Têmis - Joice Lechinski                                          Narciso - Nicholas Miranda
Ades - Alessandro                                                  Pedro Lucas - Helio
Artêmis - Maria Eduarda                                       Orfeu - Wesley Lechinski
Dionísio - Douglas Maldaner 
Hermafrodito - Luana Brasil

Eu quero ser criança, na câmara de vereadores de Cruz Alta

-Eu vou embora dessa casa, esses filhos não são meus mesmo e duvido que esse que você está esperando seja...

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Crítica da esquete Eu quero ser criança - Tomo 1 (771)

Uma singela Estréia 

             Assisto todos os espetáculos possíveis, se me falam que haverá teatro, vou... Amo o ator, amo o palco, amo as confusões criativas, as dúvidas, as incertezas. Amo os atores começando e respeito profundamente os atores maduros com suas historias de superação e sucesso. 
           Quando vejo jovens atores iniciando uma carreira, fico orgulhosa e penso na jornada positiva do Grupo Máschara. um trabalho dedicado em preparar o amanhã. Na ásia muitos agricultores cultivam o Damasco, fruta típica daquela região. Sua árvore leva setenta e cinco anos em média para dar o primeiro fruto. Ainda assim o agricultor planta para que seu filho ou seu neto possam colher a fruta. Assim funciona o Grupo Máschara em Cruz Alta, semeando para colher atores e muito teatro no futuro.
        Durante três dias, professores, membros da comunidade e funcionários da secretaria de desenvolvimento social, debateram a situação da criança e do adolescente na nossa sociedade. Exploração infantil, abuso infantil, prostituição infantil foram alguns assuntos levados a apreciação. Para encerrar a programação os alunos da ESMATE - espaço Máschara de teatro, apresentaram a esquete Eu quero ser criança. O Tema era audacioso e interpretado por atores e jovens aspirantes ao palco. Para a platéia não haviam alunos, para a platéia haviam atores. E incrivelmente eu os vi, ainda que alguns fossem extremamente jovens ou tivessem assistido pouco mais de oito aulas de teatro. 
              "As boas ações caem bem no jardim de infância, o palco é o lugar da gangrena". Essa frase de Nelson Rodrigues me parece muito de acordo ao que vi, devemos sempre levar ao palco assuntos que levantem a critica, que espelhem nossas angustias, anseios, etc...
            A esquete chocou e fez pensar. Mergulhei na historia das crianças que acabam roubando motivadas por famílias desestruturadas. A mulher que apanha do companheiro ou a travesti agredida verbalmente apenas por incomodar com sua presença são temas constantes e devem ser debatidos. 
             "É preciso haver regras para a coletividade". A canção de Hércules Grecco, musicada por Leonardo Diaz caiu como uma luva e sublinhou a proposta. 
                 O elenco feminino marcou muito por suas construções, Raquel Arigony e Alessandra Souza como as genitoras das duas protagonistas conseguiram passar exatamente o que a direção esperava. Raquel foi intensa no jogo com Renato Casagrande e deixou a personagem extremamente redonda. Laura Hoover e Kau Silva deram vida a meninas introspectivas, cada uma com uma historia bem diferente da outra. Laura é muito detalhista o que lhe acrescenta profundidade na criação. Kau é observadora e instintiva o que lhe acrescenta muito. Ambas devem sim trabalhar muito a dicção, e o tom vocal de Kau precisa ser trabalhado, no entanto ambas comoveram o público, iniciando com pé direito o trabalho cênico. 
                 Marcelo e Felipe abriram a boca e alcançaram uma boa proporção vocal, falta apenas mais concentração e jogo. O mesmo jogo que Gabriel Giacomini vem alcançando mais e mais com seus colegas do Máschara. Gabriel como protagonista foi muito bem, só precisa ter mais calma, respirar mais em cena. As vezes acelera o texto e embola um pouco as palavras, deve ir com calma pois tem um timbre lindo para palco. 
                  Douglas Maldaner alcança exito com sua presença e composição mas sempre se prejudica com sua dicção, o problema da gagueira nervosa que o ataca em cena precisa ser trabalhado e ataco, correndo o risco de se não resolvido, tornar-se um hábito. Nicholas Miranda foi corajoso e improvisou bem quando resvalou, precisa trabalhar mais a energia, ter mais "mordida" em cena. Renato Casagrande por sua vez, assim como Raquel Arigony começou por outro trabalho, mas como camaleão que é, arranca aplausos em qualquer papel. Por um único momento esperei que ambos, Raquel e Renato solucionassem o conflito físico de Marcelo que acabou emparedado de costas para o público. 
                  Quanto ao trabalho de composição, direção e instrução de Cléber Lorenzoni, foi bastante pontual, a direção aparece muito nas cenas, ainda que a esquete tenha sido apresentada em um espaço nada estruturado. Mas a marca, a ideia, a linha de trabalho, a curva. Tudo ali emanava Cléber Lorenzoni, achei ousado envolver o menino menor tão pequeno na cena, mas enfim, se alguns temas fossem falados abertamente junto as crianças na tenra idade, talvez o mundo não tivesse chegado onde chegou.
             Foi sem duvida, uma encenação marcante que ainda pode crescer muito se todos os envolvidos se dedicarem e escolherem levar esse trabalho adiante, o tema é atual e precisa ser debatido. Eu voltei agradecida para casa e na certeza de que a nova geração de atores cruzaltenses está sendo bem preparada...




                                    A Arte não pode morrer.    






                                                                      A Rainha



Alessandra Souza (**)
Cléber Lorenzoni (**)
Douglas Maldaner (*)
Gabriel Giacomini (**)
Kau Silva (***)
Marcelo Padilha (**)
Felipe Padilha (**)
Laura Hoover (***)
Raquel Arigony (***)
Renato Casagrande (***)
Nicholas Miranda (**)

               
      
              
             

Renato Casagrande e Cléber Lorenzoni em cena no espetáculo Olhai os Lírios do Campo


Raquel Arigony e Renato Casagrande


Desenho da aluna Gabrielle sobre o texto Chapeuzinho Vermelho de Raiva


Cena curta -

                                             Cena " O Lado Fraterno "
Personagens:
Benjamin (patrão)
Tereza (irmã de verônica)
Gregório (mordomo)


         (Benjamin e Gregório estão na sala, Benjamin está muito pensativo quando alguém bate na porta)

Benjamin: Gregório, por favor veja quem é.
Gregório: Sim senhor.
(Gregório vai até a porta, vê quem é e volta preocupado)
Gregório: Senhor... é a senhorita Tereza Ramos!
Benjamin: (nervoso) ah... deixe a entrar.
(entra Tereza)
Tereza: (irônica) bom tarde Benjamin!
Gregório: Com licença. (se retira um pouco sem jeito)
Tereza: Viu como o dia está bonito hoje? Ela adorava dias assim. Não há nenhuma nuvem no...
Benjamin: Eu sei.
Tereza: Isso você sabia. Mas pelo visto não soube o quão grave era aquela doença, não é?
Benjamin: Oque você quer Tereza?!
Tereza: Só quero lhe contar algumas coisas.(respira profundamente) sabia que poucos minutos antes de morrer ela me ligou? (tom) Ela disse q não aguentava aquela tosse, e você nem se prestou para ajudá-la. Ela só queria ir embora dessa casa e deixar pra trás as lembranças dessa sua ignorância!
Benjamin: PARA! Suas palavras estão me matando!
Tereza: (ignora e olha para as flores da sala) Margaridas? Você lembra que eram as flores preferidas dela. Inclusive, a maioria das flores no velório dela eram margaridas!
Benjamin: Por favor, entenda, eu nunca quis que isso acontecesse, eu não esperava que isso fosse acontecer! (vai até a beira do palco)
(Tereza contorna a cadeira no centro do palco)
Tereza: Não tente se explicar agora Benjamin (faz um sorriso indo para um choro). Você a matou!
Benjamin: (arregala os olhos) N...não...não foi minha ...
Tereza: Pare! Eu não quero suas desculpas. Eu só desejaria que você fosse no lugar dela!
(Benjamin retribui a frase com um tapa seguido de um arrependimento)
Benjamin: Des...desculpe Tereza eu...eu...eu não tive a...
Tereza: Eu já disse para não se desculpar, nossa conversa acaba por aqui, passar bem senhor Cavalieri! (sai de cena)
(Gregório entra, vê seu patrão num estado de choque corre para perto dele)
Gregório: Senhor está tudo bem? Oque ela queria?

Benjamin: (olha para Gregório no fundo dos olhos e diz chorando) Foi minha culpa...


                                       Por Gabriel Giacomini

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Atores do Máschara e Alunos da ESMATE juntos em ensaio geral


Grupo Máschara e a Dança

Inquebrantável - Core. Raquel Arigony - Mus. Adriana Mezzadri
Brasil, mostra a tua cara - Cor. Cléber Lorenzoni - Mus. Cazuza
Moskau - Cor. Cléber Lorenzoni e Renato Casagrande - Mus. Genghis Khan
Dancyn Quenn - Cor. Diretores reunidos no 7º FESTVALE - Vale do Paranhãna -  Mus. Abba
Mamma Mia - Cor. Cléber Lorenzoni - Mus ABBA
Guime Guime - Cor. Cléber Lorenzoni  - Mus ABBA
É tão bom - Cor. Cléber Lorenzoni  -  Mus. Paquitas
Vogue - Cor. Cléber Lorenzoni - Mus. Madonna
Thriller - Cor. Renato Casagrande - Mus.  Michael Jakson
O'ps- Cor. Cléber Lorenzoni - Mus. 
Terra Saudade - Cor. Cléber Lorenzoni  -
Lixo, Lixo, Lixo - Cor. Cléber Lorenzoni e Renato Casagrande  - Mus. 
Tango a Roxane - Cor. Cléber Lorenzoni 
Salsa- Cor. Cléber Lorenzoni  - Mus. 
Waca Waca - Cor.Cléber Lorenzoni  - Mus. Shakira
Everbody - Cor. Renato Casagrande e Cléber Lorenzoni  - Mus. Backstreet Boys
Festa no Interior - Cor. Cléber Lorenzoni  - Mus. Gal Costa
I love you Babe - Cor. Cléber Lorenzoni  - Mus.
Não se Reprima - Cor Cléber Lorenzoni e Evaldo Goulart - Mus. Menudos
Yô Yô Yô - Cor. Cléber Lorenzoni  - Mus. Trem da Alegria
Super Heróis - Cor Cléber Lorenzoni  - Mus. Trem da Alegria
Passo Doble - Cor. Cléber Lorenzoni -Canção Ibérica
Flamenco - Cor. Cléber Lorenzoni  - Mus. Gipsi Kings




Grupo Máschara e alunos da ESMATE juntos na esquete "Eu quero ser criança"


Os Atores/Bailarinos Cléber Lorenzoni e Renato Casagrande dirigidos por Raquel Arygoni na coreografia Inquebrantável


Atores do Grupo Máschara ao lado do membros da Secretaria de Desenvolvimento Social após performance EU QUERO SER CRIANÇA


terça-feira, 13 de junho de 2017

Ensaios da coreografia Inquebrantável


Prova de figurinos para A Paixão de Cristo


Sobre a ESMATE


Para recordar - A Paixão de Cristo


Espetáculos do Grupo Máschara

30-A Paixão de Cristo - 2017 - Direção Cléber Lorenzoni
29-(ESQUETE) Empresa do Futuro -2016 - Direção Coletiva
28- Complexo de Elecktra - 2016 Direção de Cléber Lorenzoni
27-Zah-Zuuu - 2015- Direção e interpretação Cléber Lorenzoni e Renato Casagrande
26-Olhai os Lírios do Campo 2015 Direção Cléber Lorenzoni
25-A Serpente - 2013 Direção Cléber Lorenzoni
24-O Santo e a Porca - 2012 Direção Cléber Lorenzoni Texto de Ariano Suassuna
23-Os Saltimbancos - 2012 Direção Cléber Lorenzoni Texto de Chico Buarque
22-Deu a Louca no Ator - 2011 Direção Cléber Lorenzoni Texto de Antonio Fagundes
21-As Balzaquianas - 2011  Direção Cléber Lorenzoni e Angelica Hertel
20-A Maldição do Vale Negro -2009 Direção Cléber Lorenzoni Texto Caio Fernando Abreu
19-Ed Mort - 2008 Direção Cléber Lorenzoni Texto Luis Fernando Verissimo
18-Um Inimigo do Povo 2007 Direção Cléber Lorenzoni Texto Ibsen
17-Romeu e Julieta 2006 Direção Cleber Lorenzoni Texto Shakespeare
16-Lili Inventa o Mundo Direção Cléber Lorenzoni Texto Adaptação da obra infantil de Mario Quintana
15- Esconderijos do Tempo 2006 Direção Cléber Lorenzoni Texto Adaptação da Obra de Mário Quintana
14-O Castelo Encantado 2005 Direção Cléber Lorenzoni Texto Adaptação das obras infantis de Erico Vertissimo
13-O Incidente 2005 Direção Cléber Lorenzoni Texto Adaptação da obra Incidente em Antares
12-Bodas de Sangue 2003 Direção Cléber Lorenzoni Texto Federico Garcia Lorca
11-Macbeth 2002 Direção Cléber Lorenzoni Texto Shakespeare
10-Feriadão 2002 Direção Cléber Lorenzoni Texto HErcules Grecco
9-Tartufo 2001 Direção Cléber Lorenzoni Texto Molière
8-Antígona 2000 Direção Cléber Lorenzoni Texto Sófocl
7-O Conto da Carrocinha 1999 Direção Dulce Jorge Texto: Adaptação dos contos de Andersen
6-Dorotéia 1998 Direção Helquer Paez Texto : NElson Rodrigues
5-Bulunga O Rei Azul 1997 Direção: Dulce Jorge Texto Pedro
4-Cordélia Brasil 1995 Direção Cezar Dors Texto Antonio Bivar
3-O Dia em que Júpiter encontrou Saturno 1994
2-A Bruxinha que era boa 1993
1 -Um dia a Casa Cai 1992 Direção Giane Ries Texto Ivo Bender

sexta-feira, 9 de junho de 2017

O Incidente, texto

O Incidente
Personagens  :                                            Shirley Terezinha
Dr. Cícero Branco
Quitéria Campolargo
Barcelona
Menandro Olinda
Erotildes da Conceição
Pudim de Cachaça
João Paz
Tibério Vacariano
Rita Paz
Beatriz
Rosinha

(Entra a radialista, está vestida de forma de forma muito chique como se fosse apresentar um vaudeville burlesco).
Shirley: Boa noite! A historia que vou lhes contar,  mais parece um ato burlesco de uma historia de uma comédia de horrores, peço por tanto, sua total atenção. Trata-se de nossa querida e pacata Antares, no alto Uruguai, fronteira com a Argentina, população 2000 almas. Aqui, na noite anterior da sexta feira 13, de dezembro de 1963, sete caixões foram deixados insepultos por causa de uma greve que assola o nosso município. Segundo testemunho dos grevistas, cerca de sete horas da manhã, eles viram erguerem-se de seus féretros os sete mortos insepultos que desceram pela avenida principal espalhando o pavor e agora encontram-se enfileirados no coreto da praça. Vinham quais bonecos de mola, mas regidos por Deus, ou pelo Diabo? Não sabemos, o que sabemos é que foram muitas as vítimas que sucumbiram perante agourenta cena. A desgraça parecia estar presente após esse primeiro ato, mas o verdadeiro desfecho macabro ainda está por vir.

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Todos os que vieram antes de nós e que merecem nosso aplauso

97- Sandra Lazzari (2016)V
96-Raquel Arigony Prates (2016-___ ) IV
95-Gabriel Giacomini (2015-____) V
94- Leonardo Oliveira(2003)V
93-Bruna Malheiros (2015)IV
92-Larissa Marques(2015) V
91-Bárbara Santos (2015/2015)V
90-Douglas Maldaner (2015/____)V
89-Manoeli Machado (2015)
88-Evandro Amorim (2014)V
87-Evaldo Goulart (2012/honorário)III
86-Fernanda Peres (2011/____)IV
85-Gabriela Varone(2011/2013)IV
84-Newton Moraes (2011)IV
83-Lucas Padilha
82-Diego Pedroso(2011)IV
81-Michele da Rosa
80-Rodrigo Fabrício
79-Pamêla Canciani
78-Renato Casagrande (2008/___)II
77-Roberta Corrêa(2008/2010-2012/2013-2014)III
76-Alessandra Souza(2008/___)III
75-Kaune Linassi (2006/2007)IV
74-Jéssica Martins (2006/2007)IV
73-Luís Henrique (2006/2008)IV
72-Angélica Ertel (2006/____) II Ancião
71-Marciele Benittes
70-Gabriel Wink (2006/2012) III
69-Cláudia
68-Fabiúla
67-Tatiana Quadros (2005/2014) II
66-Ezequiel Mattos (2005) IV
65-Mirian Almeida (2005/2006) II
64-Kellen Padilha (2005/2007)III
63-Gelton Quadros (2005/2010) III
62- Cristiano Albuquerque (2002/2014) IV
61-Lilian Kempfer (2005) V
60-Luiz Fernando Lara (2002/2005-2007/2013) IV
59-Monique Vogel (2002/2003)IV
58-Guto Baugrathz (2002) V
57-Jorge Pittan (2002)IV
56-Ana Paula (2002) V
55- Rafael Aranha (2003/2006) III
54-Daiane Albuquerque (2002/2006) III
53-Pothira
52-Lauanda Varone (2002/2006) II
51-Cássius Basílio
50-Suzzete Siqueira
49-Yanna Monge
48-Ricardo Fenner (2001/___)III Ancião
47-Diego Barcellos (2001) IV
46-Fábio Novello (2001)(2014/___) III Ancião
45-Marcele Franco (1998/2010) III
44-Rosimere Fernandes
43-Eduardo
42-Guilherme Macke
41-Úrsula macke (1999/2000)IV
40-Matheus da Rosa (1999) IV
39-Leonardo Mattos (1999/2002) IV
38- Cristiane Puppo (1999)
37-Fernanda Garrido (1998/2001) V
36-Ariane Pedrotti (1998/2003) III
35- Maria Amélia Ferraz
34- Luciano
33- Simone De Dordi (1997/2002) I
32- Naiara (1996/1997) IV
31- Adilson Sattes (1997) IV
30- Adriane Fiúza (1997/1998) IV
29- Janiele Peroti (1996/1997) IV
28- Alexandre Dill (1996/2006) I
27- Paulo César Perez (1996/1997) IV
26- Maiara
25- João Paulo Perez (1996/1997) IV
24- Zenaide Perez (1996/1997) IV
23- Bibiana Monteiro (1996/1997) IV
22- Fábio Branco (1996)
21- Cléber Lorenzoni (1995) I Ancião
20-Evandro Silva (1992/1994) IV
19- Carolina Monteiro (1996/1997) III
18-Odacir Penna (1996/1997) II
17- Claudia Cavalheiro
16-Katiússia (1996)
15-Altiva Soares (1993/1997) IV
14- Fernanda Strainbrenerr (1996)
13-Vera Porto (1992/1998) IV
12-Dão Dill (1992/1995) III
11- Janaína Peroti (1992/1996)
10- Eduardo Gonçalves (1992/1995) II
9- Nádia Régia (1992/1994) I
8- Wilson França
7- Marli
6- Thire
5- Cesar Dórs
4- Diogo Crombauer
3- Claudia
2- Giane Ries
1- Dulce Helena Jorge (1992 Fundadora) Anciã