sexta-feira, 29 de maio de 2015

Elenco de Ed Mort em 2015



Evaldo Goullart, Dulce Jorge, Gabriel Giacomini, Alessandra Souza
Nicole Ardenghi,Ricardo Fenner, Cléber Lorenzoni, Fernanda Peres, Renato Casagrande

Novos atores vão surgindo




Nicole Ardenghi, Cléber Lorenzoni e Gabriel Giacomini em Ed Mort




quinta-feira, 28 de maio de 2015

Ed Mort com cara de estréia - 690 - tomo 15

             Sempre que um espetáculo adulto é apresentado em uma escola, fico apreensiva, me perguntando que estará sendo dito àquelas crianças ou adolescentes. Ed tem texto inspirado na obra de Luis Fernando Verissimo. Ou seja, não foi Luis Fernando Verissimo quem escreveu a peça. Verissimo escreveu crônicas, alguém adaptou e alguém dirigiu. Então, caso Luis Fernando Verissimo assista o espetáculo, não assinará embaixo. Afinal o produto sobre o palco é fruto de pontos de vistas variados, pontos de vista de atores, e da direção do espetáculo. Isso é o que torna um espetáculo teatral tão exclusivo, inédito, único. 
                        Assistindo Ed Mort, diverti-me razoavelmente e aproveitei em fim, um espetáculo sem apelações, coerente com a linguagem e bastante triangular. Acredito profundamente que os alunos que assistiram, aproveitaram, ou curtiram como eles mesmo dizem,  e possivelmente irão se interessar ainda mais em ler os livros de Luis Fernando Verissimo.
                       No palco, um elenco coeso, cada um cumprindo sua unção com pesos e importâncias a altura de suas capacidades.  Ao lado dos sete atores do Máschara, dois alunos da ESMATE- Espaço Máschara de Teatro. Um bom exemplo da importância da presença de uma escola de teatro em Cruz Alta. Tanto Nicole Ardengui quanto Gabriel Araujo estavam inteiros, concentrados e contracenaram perfeitamente com Cléber Lorenzoni.
                        A trama rápida que mescla investigação, suspense e um pouquinho de romance, foi fácil de compreender, foi bem contada. Apesar da falta de acústica, a voz dos atores potencializou-se por todo o espaço. 
                          O mais importante do dia, a meu ver, foi a estreia dos dois pretensos atores, por que? Por que o teatro baseia-se no futuro. No investimento atual para a maturidade cênica no futuro. Ardengui e Araujo vem já há bom tempo estudando o teatro em todos os seus motes, mas nada é exagerado ou imposto. Ao contrario, respeita-se o tempo de cada um, a idade e a capacidade de compreensão. O teatro precisa ser motivado, instigado, regado na mente das crianças. Atores que caem de paraquedas ou pessoas que resolvem começar a fazer teatro a partir de uma certa idade, encontram mais dificuldade para alcançar seus objetivos sobre o palco. Um bom exemplo disso, são Alessandra Souza e Renato Casagrande, ambos, alunos do extinto núcleo de teatro da "extinta?" Casa de Cultura de Cruz Alta. 
                         Evaldo Goulart também vêm das oficinas de teatro de Boa Vista do Cadeado. Ou seja, o teatro encontrará um terreno melhor em pessoas que puderam pesquisar, discutir, debater, acertar/errar, antes de propriamente se dizerem atores. 
                         O teatro é resposta ao estudo, estudo esse necessário para que o ser sobre o palco possa com sapiência, representar a vida humana. O ser-humano é figura de estudo do artista de teatro, e para estudá-lo, para interpreta-lo, provocá-lo em seu lugar seguro, o ator precisa no mínimo conhecer um pouco a psiquê humana. 
                        No palco, ótimos momentos como a transformação que dá vida à Edna. Momentos confusos como as mãos de Ed desamarradas, que graças ao approach do intérprete foi resolvido. Edna e as crianças vão de "avião" para a disney, mas por problemas de contra-regragem, voltaram sem avião? A pasta do contrabandista parecia vazia? 
                             Ao final o público aplaudiu satisfeito e foi mais um dia de tarefa cumprida. Um bom exemplo de trabalho em equipe. E torçamos para que Nicole e Gabriel estejam mais vezes no palco.



                           Teatro é vida

A Rainha

Dulce Jorge  (**)
Cléber Lorenzoni  (***)
Ricardo Fenner  (**)
Renato Casagrande  (***)
Alessandra Souza  (**)
Fernanda peres  (**)
Evaldo Goulart  (***)
Bruna Malheiros   (**)

Participação especial:
Nicole Ardengui  (**)
Gabriel Araujo   (**)

quarta-feira, 13 de maio de 2015

Melhores do ano 2014

O Grupo Máschara encerra definitivamente as ações de 2014, agradecendo à todos que de alguma forma colaboraram para as ações do seu teatro em Cruz Alta. Sem eles o teatro estaria esquecido e provavelmente acabado. Nosso agradecimento à Cléber Lorenzoni, Dulce Jorge, Alessandra Souza, Renato Casagrande, Ricardo Fenner, Evaldo Goulart, Fernanda Peres, Fábio Novello, Leonardo Drea,  Angelica Ertel, Tatiana Quadros, Evandro 
Amorim, Cristiano Albuquerque e Roberta Queiroz.

Melhor Espetáculo: O Castelo Encantado (   )
                                Esconderijos do Tempo ( X )
                              
Melhor Direção: Cléber lorenzoni por Cordel com a corda toda

Melhor Ator: Cléber Lorenzoni por Esconderijos do Tempo ( X )
                      Renato Casagrande por O Castelo Encantado (  )
                                            
Melhor Atriz: Dulce Jorge por O Santo e a Porca ( X )
Alessandra Souza por O Castelo Encantado  (  )

Melhor Ator Coadjuvante: Renato Casagrande por Os Saltimbancos (  )
                                           Renato Casagrande por O Santo e a Porca (X)
                                           Ricardo Fenner por A Maldição do Vale Negro (   )
              
Melhor Interprete em substituição: Angelica Ertel por O Santo e a Porca ( X  )
Fabio Novello por Esconderijos do Tempo (   )
Alessandra Souza por Esconderijos do Tempo  (   )
Renato Casagrande por Esconderijos do Tempo (   )

Melhor Cenário: Cléber Lorenzoni pelo cenário adaptado de Os Saltimbancos em Andre da Rocha 

Melhor Performance: O Grupo por Novembro Azul ( X )
Esmate pela participação no Superação (  )
Cléber Lorenzoni e Alessandra Souza  em Unicruz (   )
Cléber Lorenzoni e Renato Casagrande como estátuas vivas (  )
Esmate por A hora da estrela (  )
Renato Casagrande por Rudolf em desfile natalino (  )

Melhor Iluminação: Fabio Novello por Feriadão no Festvale (  X )
                                 Fabio Novello por A Maldição do VAle Negro em Marau (   )

Melhor Trilha Sonora: Não houve nova trilha.

Melhor comercial de tv: Cléber Lorenzoni e Renato Casagrande em comercial Superação
                                        

Melhor comercial de rádio: O santo e a Porca-64º Cena às 7 

Melhor Texto: Cléber Lorenzoni por Cordel com a  corda toda ( X  )
                         Cléber Lorenzoni pela adaptação de A Hora da Estrela (   )
                
Melhor Espetáculo Revisitado: Esconderijos do Tempo (   )
 O Castelo Encantado  (   )
O Santo e a Porca (  X )

Melhor Contra-Regragem: Alessandra Souza por A Maldição do Vale Negro ( X  )
                                           Ricardo Fenner e Evaldo Goulart por Esconderijos do Tempo (   )

Melhor Produção: Cléber Lorenzoni e Ricardo Fenner por 6ª Matinê do Máschara (   )
O Grupo por 64º Cena às 7 (   )
Ricardo Fenner por participação no Porto Verão Alegre ( X  )
Cléber Lorenzoni, Alessandra Souza, Renato Casagrande e Evaldo Goulart por Novembro azul (   )
Cléber Lorenzoni, Alessandra Souza, Renato Casagrande e Evaldo Goulart- O castelo Encantado (   )

Melhor Conjunto de Atores: Elenco de A Maldição do Vale Negro (   )
                                              Elenco de O Castelo Encantado (  X )

Melhor Projeto : Cléber Lorenzoni e Renato Casagrande por Novembro Azul (  X )
Cléber Lorenzoni por O Castelo Encantado na rua (   )
Cléber Lorenzoni e Esmate por A Hora da Estrela (   )
Cléber Lorenzoni por Desfile de natal Carlos BArbosa (   )

Melhor Ator Visitante : Cristiano Albuquerque por Fragmento de O Incidente (   )
                                      Angelica Ertel por O Santo e a Porca (  X )
                                      
Melhor Participação: Evaldo Goulart como Mario Criança em Esconderijos do Tempo (  X )
Renato Casagrande como tia em A Hora da Estrela (   ) 
                                           

                                           



terça-feira, 12 de maio de 2015

Próximos Espetáculos/2015

690- Ed Mort  (tomo 15) 27 de maio de 2015 - Colégio Santíssima Trindade
691- A Maldição do vale negro (tomo 26) 03 de junho de 2015 Festival de Santo Angelo

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Grupo Máschara reunido em 2015


9º Matinê do Máschara - Lili Inventa o Mundo

Nômades à força

                       Desde que surgiu em 1992, o Máschara sempre teve que se adaptar as intempéries que o teatro no interior produz. No principio isso não chegava a ser um problema, afinal, para um grupo de jovens artistas, desbravar locais, fazia parte de toda a fértil vida artística. Nos primeiros anos os encontros aconteciam na propria casa da fundadora da Cia. e na Casa de Cultura. Com o tempo, o palco do Clube Arranca também foi cedido, bem como o as dependências do clube 13 de Maio. Em 2000, durante a montagem do espetáculo Antígona, o Máschara passou a utilizar um apartamento vazio, propriedade da senhora Dione Jorge. Outro espaço importante para o grupo, foi o auditório da escola Margarida Pardelhas. Em 2001 a equipe montou Tartufo em salas do Clube Internacional. O Galpão Crioulo da Brigada e o CTG Querencia da Serra também foram emprestados para ensaios, Em 2006 além do auditório do Instituto Annes Dias e de sua sala de Danças, o Máschara se reuniu também no salão paroquial da Catedral. 
                          Além de todos esses lugares, vários outros espaços foram visitados em ensaios esporádicos. Em 2005 o grupo criou o projeto Cena às 7 em em 2012 o Matinê do Máschara. Porém, com a interdição da Casa de Cultura, foi necessário buscar novos espaços. Espaços que as vezes não são apropriados, no entanto, que conseguem comprovar a versatilidade da equipe. 
                          A curta temporada de Lili Inventa o Mundo no Clube Internacional levou mais de trezentas pessoas ao teatro. Foram quatro seções de bom teatro para crianças e adultos. As quatro foram profissionais, e cumpriram sua função.  No entanto, essa ultima foi coroada com um quê a mais. Fernanda Peres emocionou e cumpriu sua função de atriz principal do espetáculo, ainda que na ultima apresentação da turnê. Bruna Malheiros, Evaldo Goulart e Fabio Novello também merecem ser mencionados pela excelência de suas funções na matinê. Bruna foi amadurecendo durante os quatro domingos. Evaldo esteve dedicado e concentrado. Provou que com esforço pode sim cuidar da percussão do espetáculo. Fabio Novello assumiu três funções, Cumpriu as três com maestria. 
                               Renato Casagrande é instintivo, inteiro, e cheio de energia. Domina o que faz em cena. Cléber Lorenzoni e Alessandra Souza não se destacaram muito, talvez a preocupação com o novo espetáculo, talvez o cansaço, mas faltou algo. Por exemplo, a cena da Fada Mascarada, poderia render muito, muito mais do que realmente rende. Cléber Lorenzoni no entanto merece elogios por saber conduzir algo tão complexo como uma turnê teatral em Cruz Alta. Com tantas dificuldades, sem dinheiro, e com tantas pessoas ao redor, (não as do teatro), dando o contra. Provocando ondas contra a pequena jangada do Máschara. 
                                 Ricardo Fenner, Dulce Jorge, Barbara Santos, e Douglas Maldaner fizeram sua parte para o sucesso do dia. Douglas deve se inspirar nos mais antigos do Máschara, exigir mais de si mesmo como Evaldo e Fernanda fizeram nessa seção. 
                                     Agradeço também à Gabriel Giacomini que deu sua contribuição para mais esse dia de teatro. Que a Matinê volte logo e encha nossas crianças de ludicidade. 
                   


***
Evaldo Goulart, Fabio Novello, Bruna Malheiros, Renato Casagrande, Fernanda Peres

**
Alessandra Souza, Cléber Lorenzoni, Dulce Jorge, Barbara Santos, Ricardo Fenner, Douglas Maldaner

*
Funcionários do Clube Internacional


Mais teatro.        Teatro é Arte.       Arte é vida.


sexta-feira, 1 de maio de 2015