terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Cena às 7 57º Lili Inventa o Mundo (B)


              Cena às 7, é algo que já se solidificou, teatro todo mês na Casa de Cultura de Cruz Alta, sempre com espetáculos do Máschara. No espetáculo de hoje, adultos deliciaram-se com a poética de Mario Quintana e crianças riram e viajaram por um mundo de fantasia. No palco seis atores, com talentos diversos, energia, domínio do fazer teatral  e voracidade. Cléber Lorenzoni a frente do elenco arrancou gargalhadas com seu parceiro Evaldo Goullart. O teatro é a arte do dia, é efêmero, é para quem está naquele momento, nunca será igual. Pois depende da inspiração do ator naquele dia. E a equipe do Máschara estava muito inspirada. 
                 Foi a apresentação de número 94, e o espetáculo tinha cara de espetáculo novo. Lili Inventa o Mundo lendo seu livro de poesias conhece o senhor poeta (Mario) e seu ajudante (o pequeno Malaquias- aquele que por um pequeno erro divino tinhas asinhas no bumbum e não conseguia voar direito). Lili é apresentada ao pé de pilão (o menino Matias que é transformado em patinho pela fada mascarada que mora na floresta encantada e que é feia feia feia como ninguém faz ideia). Enfim poesias e versos sem parar. 
                   Fernanda Peres esteve muito bem, no entanto precisa ter mais cuidado com sua presença em cena. Lili com um brinco na orelha não fica muito legal. A troca do vocábulo Comeu por Engoliu, seria muito  mais perspicaz. E a prosa final da peça deveria ter sido dita com maior sapiência. 
                    Renato Casagrande descobriu muito mais coisas em cena, gosto de atores que sempre retomam suas personagens, descobrindo coisas novas, ousando. O pé de pilão foi o xodó do público infantil. Roberta Queiróz esteve muito bem, a atriz pode forçar um pouco mais sua pronuncia, mas sua interpretação nada deixa a desejar. Alessandra Souza parece ter captado muito bem a alma do espetáculo nessa apresentação, mas tanto ela quanto a colega pularam algo durante o "Pirulim, pirulim, pirulim..." Há de se ficar mais atento. Evaldo Goullart criou muito, é um ator que traz de casa. não é a toa que mudou de Status logo após a interpretação. É um dos novos talentos do Máschara.
                         Na parte técnica, o Máschara precisa ser mais capacitado, não basta ter bons atores se a técnica do espetáculo não acompanha. 
                            Teatro infantil não é mais fácil de fazer, não é mais simples, criança é muito mais exigente que adulto, é verdadeira. Lili Inventa o Mundo é e sempre será o melhor espetáculo infantil da Cia.

Alessandra Souza (**)
Renato Casagrande (***)
Cléber Lorenzoni (***)
Roberta Queiroz (**)
Evaldo Goullart (***)
Fernanda Peres (*)
Gabriela Oliveira (*)
Luis fernando Lara (*)


A Rainha