sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Resenha de Renato Casagrande a partir dos dramaturgos O'Neill, Albee e Williams

“O passado de uma pessoa pode se tornar seu destino”
                                                                                                      Eugene O’Neill

Descobrindo as origens de um dramaturgo poderemos compreender melhor o sentido de suas palavras em sua obra, sua inspiração e até mesmo seu “desabafo”.
Aceitei o desafio de desvendar os imortais O’Neill, Williams e Albee. Ambos tratam em suas obras sobre a sociedade norte-americana, tentam questionar ou até ironizar o tão desejado sonho americano, com personagens totalmente avessos a esse ideal. Seus personagens sempre são psicológicos em graus que oscilam entre a loucura ou até mesmo a uma vida completamente fracassada. É necessário mencionar que O’Neill de certa forma alcançou o apogeu com o que se tornaria o teatro realista norte-americano. Tennessee não descobriu ou criou algo novo, mas redescobriu por si só o que já fora descoberto. O realismo permanece o estilo norte-americano, o mérito às vezes, foi fundir o realismo com a imaginação, o que Williams explorou muito bem.
Me inteirando das biografias, chego a conclusão de que os três dramaturgos em questão, encaixam-se no gênero teatral denominado Realismo-Trágico. Peças decorrentes do mundo real, sem fantasias ou misticismo (embora seja impossível viver sem) mas com grande escala de tragédias pessoais, tais como: vícios, suicídios, assassinatos ou mesmo insanidade. Personagens convincentes no mundo de hoje, usam dos instintos humanos, referência da tragédia grega, para seguirem com sua jornada.
Eugene O’Neill traz uma força em sua obra, sentimentos profundos e uma verdade interna, inovando e mesmo criando uma nova ideia própria de tragédia. Revela personagens mais violentos que de Albee e um pouco mais semelhantes com os de Tennessee Williams; esse por sinal demonstra personagens mais solitários com conflitos internos à beira da explosão. Edward Albee não fica longe de personagens solitários e/ou trágicos, lembrando sempre de que foi diretamente influenciado por O’Neill, em sua obra podemos ver claramente o choque entre o sonho americano e o “mundo real”.
Analisando a vida e mesmo a trajetória de tais dramaturgos, chego a conclusão de: o que realmente os une - além de sua obra o que é indiscutível – são suas vidas. Portanto declaro aqui, mesmo com meu pouco conhecimento de tais “monstros”, que vejo-os como dramaturgos autobiográficos. E por quê? Simplesmente pelo fato de suas personagens possuírem características próprias de seus familiares. O’Neill e Williams foram internados em sanatórios, devido a dependências químicas. Renegados pela sociedade americana por serem opostos ao padrão da sociedade. Um tentara se suicidar, outro morrera por algo tolo, outro viveu a vida inteira tentando se encaixar em sua família. Todos possuem histórico de família conturbada.
Albee era adotado, e não teve muita intimidade com seus pais, isso reflete-se em sua obra, personagens com carência de sentimentos. Em ”A História do Zoológico” vemos o duelo entre dois indivíduos, o Zoológico em si é a sociedade, com seres presos em suas jaulas separados por grades impedindo a comunicação, tornando assim quase impossível vencer o individualismo e mesmo a solidão. Será que não se refere ao seu convívio familiar? Pensemos...
Podemos ver claramente a irmã de Tennessee, Rose, incorporada como Laura Wingfield em “À Margem da Vida”. Rose fora diagnosticada com Esquizofrenia e passou por uma lobotomia que a incapacitou para o resto da vida. Alguns estudiosos intitulam Blanche DuBois em “Um bonde chamado desejo” como uma leve inspiração de Rose, será? Pensemos...
O’Neill teve uma vida conturbada, com casamentos fracassados e uma tentativa de suicídio em seu histórico, uma mãe alcoólatra que também tentara o suicídio, filho de atores, demorou a se encaixar na sociedade, e não sei ao certo se conseguiu. Tuberculoso assim como sua mãe, teve Parkinson e morreu decorrente a tuberculose que o acompanhou durante muito tempo. Curioso pensar que sua mãe e ele tentaram o suicídio devido a insatisfação que sentiam da vida, mais curioso ainda é que seu filho teve êxito neste desejo. Agora eu pergunto: A arte imita a vida ou a vida imita a arte?
Outra ressalva que tenho a fazer é que todos os três trataram em suas obras de assuntos considerados tabus, abusaram da ortografia para introduzir no meio literário de personagens homossexuais, dependentes químicos, e até mesmo diferenças raciais que eram demasiadamente inseridas na sociedade norte-americana da época e comum até nos dias de hoje em quase todo lugar. Apesar de notarmos o quanto a vida e a obra de cada dramaturgo estão unidas, não pretenderemos explicar a obra por meio da vida de um autor, uma vez que na obra ele seleciona, transcende, distorce os fatos de forma que eles signifiquem muito mais do que na vida.
Uma pena que esse teatro anunciava um declínio nos palcos norte-americanos que não conseguiria superar o apogeu do cinema tão cheio de surrealismo e fantasia.
Concluo aqui que o legado de tais nomes é a tragédia humana em meio a uma sociedade conformada com um padrão de vida que não cobre e nem permite pessoas avessas ao seu ideal e que se possível seria discutível a possibilidade de banimento de tais seres, um mundo onde os autômatos teriam vez e que o fracasso não é permitido e nem a desistência. Agradeço à Eugene, Tennessee e Edward, pois com eles podemos ver um mundo real sem fantasia ou utopia, e às vezes isso pode ser essencial para questionarmos nossas vontades e ideais e até mesmo compreendermos melhor nossa função como sociedade.


Renato Casagrande

ESMATE 10/09/2016


4 comentários:

  1. Sempre que acesso o blog do grupo, fico feliz em ver que há algo novo e mais feliz ainda quando meus colegas de teatro são aqueles que proporcionam algo de novo ao blog e também a todos aqueles que o acessam.
    Não poderia deixar de mencionar meu colega Renato Casagrande e também não esperaria por menos vindo de um ator esforçado que és...
    Percebo que estás amadurecendo também em suas opiniões teatrais e juntando-as a prática perceberás que a evolução de você como artista!
    Parabéns e grande abraco!!!

    ResponderExcluir