sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Texto Cordélia Brasil em dois atos


Primeiro Ato
CENA 1
Leônidas na cama, brincando com um ursinho
de pelúcia. Entra Cordélia,furiosa, de lenço na
cabeça e uma bolsa a tiracolo. Por volta das sete
horas da noite.
CORDÉLIA (Furiosa) – Ora, sim senhor! Só faltava
essa!
LEÔNIDAS (Tremendo) – Que aconteceu?
CORDÉLIA – A francesa reclamou. Outra vez.
LEÔNIDAS – Reclamou do quê?
CORDÉLIA – Que toda vez que você passa pela
porta dela, toca a campainha.
LEÔNIDAS (Inocente) – Mentira.
CORDÉLIA – E se esconde.
LEÔNIDAS – Mas é mentira!
CORDÉLIA – Que mentira, que nada! Você toca
mesmo. Passa lá e toca.
Você tem a mania de tocar todas as campainhas
que encontra. Viu uma campainha, tocou. Até
27
parece criança. Você se esquece que já tem quase
trinta anos?
LEÔNIDAS (Maníaco, tapando os ouvidos) –
Para de falar da minha idade! Você sabe que
detesto isso.
CORDÉLIA – Sei sim. Sei que você morre quando
alguém lembra a sua idade. Fecha os olhos e
se julga um menino de doze anos. Você não se
manca? Olha no espelho!
LEÔNIDAS – Para com isso!
CORDÉLIA – Olha no espelho! Fica uns quinze
minutos em frente do espelho.
LEÔNIDAS – Fico até mais.
CORDÉLIA (Imitando) – Fico até mais, fico até
mais... (Pequena pausa).
Você não é mais uma criancinha não, meu caro.
Você já está mais pra lá do que pra cá.
LEÔNIDAS – O espelho não me diz isso.
CORDÉLIA – Não diz porque você não pergunta.
Pergunta pro espelho:
(Madrasta) Espelho, espelho meu, existe alguém
mais pra lá de Bagdá do que eu?
28
LEÔNIDAS – Você morre de inveja. Eu posso
passar por vinte anos. Você é que tá um caco.
Sua cara tá cheia de barrancos, papadas... Seu
corpo cheio de pneus... Suas pernas, varizes,
varizes, varizes...
CORDÉLIA (Assumida) – E você pensa que eu ligo
pra isso? Eu assumo a minha idade.
LEÔNIDAS – Isso é fácil. Quero ver você assumir
a idade que aparenta.
CORDÉLIA – Tenho 28 anos e aguento a mão.
Não tô nem aí se pareço ter mais ou menos.
LEÔNIDAS – Devia querer. Toda mulher tem que
se preocupar com a aparência.
CORDÉLIA (Cortando) – E daí? Todo homem não
deve se preocupar e no entanto... você...
LEÔNIDAS – Mas eu sou um caso à parte.
CORDÉLIA – Isso você nem precisa dizer.
LEÔNIDAS – Da minha aparência depende o
meu futuro.
CORDÉLIA – Que futuro?
LEÔNIDAS – Meu futuro de... cartunista.
29
CORDÉLIA (Prática) – Ah! Foi bom você falar de
futuro, porque eu já ia me esquecendo. A gente
precisa ter uma conversinha séria. (Pausa). Já é
tempo de a gente fazer um acerto de contas
(Pausa. Leônidas fica preocupado). Por causa
da sua falta de responsabilidade, quem acaba
sempre entrando bem sou eu. (Silêncio) Você
não fala nada, não é? Isso quer dizer que você
sabe do que é que estou falando.
LEÔNIDAS (Desconversando) – Não é nada disso.
Eu não...
CORDÉLIA – Manias. Manias. Manias. É só isso o
que você tem: manias.
LEÔNIDAS (Olhando pro céu) – Vai começar o
sermão?
CORDÉLIA – Parece maluco. Os vizinhos vivem
gozando a gente.
LEÔNIDAS – E você liga pra vizinho?
CORDÉLIA – Casal esquisito. Casal pirado. Gente
doida... É o que falam da gente por aí.
LEÔNIDAS – Mas Cordélia, você nunca ligou pra
isso! Você até gosta de parecer meio doida. Antes
da gente se casar você adorava quando todo
mundo se virava pra olhar pra gente.
30
CORDÉLIA (Nostálgica) – Isso era antes...
LEÔNIDAS – Você ficava feliz quando riam da
gente!
CORDÉLIA – Antes da gente se casar eu era uma.
Agora, casada com você, acabei virando outra.
LEÔNIDAS – Não vejo onde.
CORDÉLIA – Antes da gente se casar eu era jovem,
inexperiente, bobona... É claro que gostava
de chamar à atenção.
LEÔNIDAS (Irônico) – Hoje você não gosta de
chamar a atenção...
CORDÉLIA (Nostálgica) – Quem, quando moça,
não gosta de chamar a atenção? Toda aquela
bobagem de posar de existencialista...
LEÔNIDAS – Não estou te reconhecendo. Por que
é que, então, você usa essas roupas estranhas?
CORDÉLIA (Realista) – Porque não tenho outras.
LEÔNIDAS (Apontando) – E naquele baú? Tá
cheio de vestido antigo, da sua avó. Que você
usava quando a gente se conheceu. Por que você
não reforma?
31
CORDÉLIA – E eu lá tenho tempo pra isso?
LEÔNIDAS – Porque não quer. Tempo a gente
sempre arranja.
CORDÉLIA – Por que você não reforma pra mim?
Você não faz nada o dia inteiro...
LEÔNIDAS – Eu sei costurar, por acaso?
CORDÉLIA – Pois devia aprender. Hoje em dia é
preciso estar pronto pro que der e vier.
LEÔNIDAS – Eu?! Costurar?!!!
CORDÉLIA – Sei lá, se você fosse homem de
verdade, você dava era um jeito na sua vida.
Todo mundo fala que quem sustenta esta casa
sou eu. Que o meu maridinho fica o dia inteiro
deitado, cuidando da beauté... (Leônidas faz
cara de desentendido, Cordélia insiste) É isso
mesmo que você ouviu, cuidando da beleza, da
botê, conservando a juventude, enquanto eu...
LEÔNIDAS (Irritado) – Saco! Quando é que você
vai parar com isso? Já não aguento esse papo de
idade, beleza, juventude...
CORDÉLIA – No dia em que o meu maridinho
acordar e tomar uma atitude de macho.
32
LEÔNIDAS (Desviando) – Ah, você casou comigo
porque quis. Eu nem tava a fim. Foi você que
forçou o nosso casamento.
CORDÉLIA – Ah, foi?
LEÔNIDAS – E depois, eu nunca trabalhei. Você já
me conheceu como um inválido, um aposentado
nato. (Pequena pausa) Não consigo trabalhar.
Há muito tempo que já desisti de me esforçar
porque o resultado é sempre o mesmo: eu e o
trabalho não nascemos um para o outro.
CORDÉLIA – Ah, não?!
LEÔNIDAS – Não. Você sempre soube disso. Foi a
primeira coisa do meu currículo, que eu te falei,
quando você cismou com a minha cara e resolveu
pegar no meu pé.
CORDÉLIA – E sendo assim, pra sustentar o meu
maridinho, eu tenho que fazer, entre outras
coisas, a vida. Ser nada mais nada menos que
uma biscate.
LEÔNIDAS – Não fale assim.
CORDÉLIA – Uma putinha.
LEÔNIDAS – Não suporto quando você fala assim...
tão... tão vulgarmente! Parece uma mulher à toa.
33
CORDÉLIA – Ah, é?! Como é que você quer que
eu fale? Feito uma cabaço de colégio interno?
(Pequena pausa) Seu ordinário! Você por acaso
duvida que eu faço a vida?
LEÔNIDAS – Não duvido.
CORDÉLIA (Decepcionada, furiosa) – Não duvida?!
LEÔNIDAS – Sei lá se duvido. Não interessa se
duvido ou não duvido. É você que tá cada dia
mais grossa, mais vulgar... Você me agride!
CORDÉLIA – Tão sensível! Que lindo! Até parece
um rapazinho afeminado.
LEÔNIDAS (Professoral, irritante) – Não se diz
a-feminado, Cordélia, mas e-feminado. Há uma
diferença entre afeminado e efeminado.
CORDÉLIA (Direta) – Veado.
LEÔNIDAS (Agredido) – Que coisa desagradável!
CORDÉLIA (Seca) – Quando eu voltar, vamos
ter uma conversa séria. Não durma, não. Fique
acordado, bem acordadinho, me esperando.
Você pensa que eu vou aguentar muito tempo,
ainda, trabalhar oito horas diárias num escritório
e fazer a vida à noite, você pensa?
34
LEÔNIDAS – Cordélia, paciência... Um dia a coisa
muda.
CORDÉLIA – E esse dia vai ser bem antes do que
você gostaria.
LEÔNIDAS (Preocupado) – Antes? Por quê?
CORDÉLIA – Depois a gente vai conversar sobre
isso. (Ressentida) Me deixando fazer esse papel...
LEÔNIDAS – Que remédio? Não tem outro, no
momento...
CORDÉLIA – Sabe de uma coisa, Leônidas, qualquer
dia eu me mato.
LEÔNIDAS – Não fique assim, é só agora! Amanhã
melhora.
CORDÉLIA – Se você não tomar uma atitude, eu
juro que me mato.
LEÔNIDAS – Não demora a coisa muda.
CORDÉLIA – Quanto a isso não tenha dúvida.
Quando eu voltar, vamos conversar sobre isso.
(Cordélia dá a impressão de estar enrolando
para não sair. Leônidas parece preocupado. O
instante parece muito difícil. Cordélia recomeça.)
35
CORDÉLIA – Que é que você vai fazer enquanto
eu estiver fora?
LEÔNIDAS (Distraído) – Não sei... ainda não
pensei... Talvez desenhe... Mas acho que eu vou
fazer é nada.
CORDÉLIA (Boa) – Você jura que não toca a
campainha da francesa? (Leônidas faz gesto que
jura) Nem da outra vizinha?
LEÔNIDAS – Juro, que ideia!
CORDÉLIA – Vê lá, hein?! (Com ternura e dúvida
Cordélia vai até Leônidas e dá-lhe um beijo. Ela
vai sair.)
LEÔNIDAS (Chamando-a) – Que é que você quer
que eu prepare para o jantar?
CORDÉLIA (Gostando) – Eu é que vou saber?
LEÔNIDAS – Só tem aquela sopa de cogumelo...
CORDÉLIA – Maggi?
LEÔNIDAS – Maggi.
CORDÉLIA (Brusca) – Então por que pergunta?
Faz sopa. Põe dois litros d’água que rende mais.
LEÔNIDAS – Mas no invólucro diz um litro.
36
CORDÉLIA – E daí? Um litro, dois litros, que diferença
faz? Bota dois litros que rende mais. A vida
tá difícil, a gente é pobre. Tem que economizar.
Tem que fazer render.
LEÔNIDAS – Depois fica dizendo que cozinho mal.
CORDÉLIA (Compreensiva) – Esquece o que eu
digo. Pra falar a verdade, não gosto de deixar
você sozinho. Seria tão bom se eu pudesse ficar
te fazendo companhia...
LEÔNIDAS – Ué, então por que não fica?
CORDÉLIA (Cética, mas para cima) – Que pergunta!?
E amanhã? A gente vai comer o quê?
LEÔNIDAS – Pra falar a verdade, eu também
não me sinto bem sozinho. Começo a pensar, a
pensar, a pensar... Me dá um cagaço!
CORDÉLIA (Suspirando e para sair) – Só sei que
não é fácil. (Abrindo a porta) E fecha a porta
com chave, tá?
LEÔNIDAS – Tá.
CORDÉLIA – E nada de tocar a campainha dos
outros, ouviu bem? (Atira um beijo e sai)
37
(Leônidas espera um tempo e, com cara de menino
levado, leve, solto, alegre, abre a porta, sai
e fica um tempo fora. Ouvem-se sons de campainhas
fora. Leônidas volta correndo e fecha a
porta com chave. Suspira aliviado. Riso nervoso.
Vai até o armário, abre uma gaveta, pega um
cigarro e acende. Dá uma longa tragada. Luz
vai baixando.)
CENA 2
Leônidas sozinho em casa diverte-se com os penduricalhos
de Cordélia: brincos, colares, broches,
pulseiras. Entra Cordélia acompanhada de um
rapazola, muito jovem e bem mais alto que ela.
Cordélia fica furiosa ao dar com Leônidas mexendo
com as suas bijuterias. Leônidas é pego de
surpresa colocando um enorme brinco pingente
na orelha. Rico, o rapazola, parece inibido.
CORDÉLIA – Ah, peguei! Seu ordinário! Xeretando
as minhas coisas. Filho da mãe! (Estabanada,
vai até Leônidas, arranca o brinco da orelha dele
e pega as outras bijuterias) É por isso que outro
dia dei por falta do camafeu da minha mãe.
Onde foi que você enfiou?
LEÔNIDAS – Eu não peguei.
38
CORDÉLIA – Eu quero.
LEÔNIDAS – Já disse que não peguei, saco!
CORDÉLIA – Me diz onde foi que você enfiou o
camafeu da minha mãe?
LEÔNIDAS – Ai minha santa Anastácia!
CORDÉLIA (Desistindo) – Tá bom, deixa pra lá.
Daqui pra frente você não vai ter mais tempo de
brincar com as minhas joias. Pode ir se preparando
desde já. Amanhã vou faltar ao escritório. Vamos
sair juntos. Vamos procurar emprego para você.
LEÔNIDAS – O quê?!
CORDÉLIA – Exatamente o que você ouviu. Procurar
emprego para você. De auxiliar de escritório.
LEÔNIDAS – Nem pensa nisso...
CORDÉLIA – A única coisa de prático que você
aprendeu na vida foi datilografia. Na esperança
de se tornar um romancista. Agora você vai trabalhar
num escritório. De datilógrafo.
LEÔNIDAS – Ah, mas não vou mesmo.
CORDÉLIA – Ah, mas vai sim.
39
LEÔNIDAS – Pelo amor de Deus, Cordélia!
CORDÉLIA – Deus, Deus, que coisa abstrata.
LEÔNIDAS – Prefiro a morte.
CORDÉLIA – Tá bom. Mas se você não morrer até
amanhã cedo, a gente vai atrás desse emprego.
LEÔNIDAS – Mas Cordélia, com a MINHA sensibilidade!
É um crime eu passar o dia socado
num escritório...
CORDÉLIA – Crime é você ficar o dia inteiro à toa,
enquanto eu, que sou a mais frágil, eu, que sou
mulher, ficar me matando em dois empregos.
LEÔNIDAS – Mas um é só provisório. Um dia a
sorte muda.
CORDÉLIA – E vai mudar amanhã.
LEÔNIDAS – Então eu vou embora.
CORDÉLIA (Apontando) – Vai. A porta está aberta.
(Rico pigarreia)
LEÔNIDAS – Quem é esse moço?
CORDÉLIA – Nossa! Eu tinha me esquecido completamente!
40
LEÔNIDAS – Que falta de educação! Que é que
ele não vai pensar da gente?
CORDÉLIA (Para Rico, exagerada, tentando
consertar) – Desculpa, meu bem, a gente tava
resolvendo um assunto da maior urgência. (Sorri,
meio sem graça) Tadinho. Não fica com vergonha
do Leônidas, não! (Pequena pausa) Como
é mesmo o seu nome?
RICO – Rico. Quer dizer... Ricardo Stevenson
Hulswitt.
CORDÉLIA (Bem impressionada) – Nossa! Seus
pais são americanos?
RICO – Meu bisavô.
CORDÉLIA – Era americano?
RICO – Inglês.
CORDÉLIA – Inglês? Que diferente!
LEÔNIDAS (Para Rico) – Você já leu Orlando, da
Virginia Woolf?
CORDÉLIA (Censurando) – Leônidas!
RICO (Para Leônidas) – O quê?
41
LEÔNIDAS (Para Cordélia) – Mas Cordélia, esse rapaz
é quase um menino! Pergunta a idade dele.
CORDÉLIA – Você acha que vou ficar perguntando
a idade de cada pessoa que encontro?
LEÔNIDAS – De cada pessoa, não; mas de ALGUMAS
eu acho que é preciso.
CORDÉLIA (Cortando) – Conforme eu fui educada,
perguntar a idade dos outros é falta de educação.
LEÔNIDAS – Se o Juizado de Menores e a Polícia
te pegam... Você pode ser presa como pedófila.
CORDÉLIA – E eu lá sei o que é isso? (Para Leônidas)
Você gosta, por acaso, quando perguntam
a sua idade?
LEÔNIDAS – Cordélia, às vezes você me parece
meio burra...
CORDÉLIA (Para Rico) – Sabe quantos anos ele
tem?
LEÔNIDAS (Ameaçando) – Cordélia!
CORDÉLIA – Vou dizer, sim. Agora vou dizer a
sua idade pra todo mundo.
LEÔNIDAS – Experimenta.
42
CORDÉLIA (Para Rico) – Você não acha ele meio...
estranho? Imagina, ele esconde a idade! Mas eu
vou dizer.
LEÔNIDAS – Mas não vai mesmo.
CORDÉLIA – Vou sim. (Para Rico) Ele fica o dia
inteiro em casa. Na cama. Deitado. Sabe pra
quê? (Pequena pausa) Pra se conservar. Ficar
sempre jovem.
LEÔNIDAS – Você vai se arrepender.
CORDÉLIA – Pra quando chegar a hora de explodir
ter cara bonita. Pra sair bem nas fotografias.
Ele acha que duma hora pra outra a sorte vai
mudar. Vai sair do anonimato. Vai ficar famosíssimo.
Sucesso total. Cartunista. (Para Rico)
Você aguenta? (Para Leônidas) Muito creme de
abacate na cara... pra ficar com as faces bem...
(Gesticula com as mãos, como que botando o
rosto pra cima) Bem assim, né? (Pequena pausa)
Muita entrevista na tevê... (Para Rico, sarcástica)
Seja sincero, me diga uma coisa: você acha que
aos 28 anos alguém ainda pode ter esperanças?...
LEÔNIDAS (Furioso) – Cordélia, sua vaca, você
disse a minha idade!
CORDÉLIA (Se fazendo de santa) – Ai, desculpa,
foi sem querer, juro!
43
LEÔNIDAS – Disse, não disse? Agora você vai ver.
CORDÉLIA – Juro. Tava só brincando.
LEÔNIDAS – Não, agora você vai ver.
CORDÉLIA (Implorando) – Leônidas...
LEÔNIDAS – Vou dizer, sim. E depois que eu disser,
ele não vai querer nada com você.
CORDÉLIA (Para Leônidas, em tom baixo) – Ele
vai me dar cem cruzeiros. Você vai estragar tudo.
LEÔNIDAS (Para Rico, direto) – Ela já teve gonorreia.
RICO (Apavorado, apertando o pau) – Gonorreia?
CORDÉLIA (Tentando tirar de letra) – Imagina!
(Para Rico) É ciúmes. Ele morre de ciúmes. Não
gosta de me ver com ninguém.
LEÔNIDAS – Era gonorreia sim.
RICO (Preocupado) – Que horas são?
CORDÉLIA – Juro que não era. Era cisma. É que
eu sou muito cismada e cismei. Mas você pensa
que não me precavi? Fui ao médico do INPS e ele
jurou que não era gonorreia. Mas eu continuei
44
cismada, né? Por via das dúvidas, tomei 500 miligramas
de Benzetacil. E passou tudo, inclusive a
cisma. Sem contar que isso foi no ano passado e
de lá pra cá não senti mais nada. (Para Leônidas)
Nem coceira, se você quer saber.
LEÔNIDAS (Enigmático, para Rico) – Eu, fosse
você, não confiava nela. (Silêncio tenso) Eu, que
sou marido, não confio...
RICO (Dividido, preocupado, apertando o pau,
distraído) – Que horas são?
CORDÉLIA (Mudando de assunto, para Rico) –
Que tanto você aperta o pinto?! (Pequena pausa)
Vontade de fazer pipi? (Aponta) O banheiro é ali.
LEÔNIDAS (Para Rico) – Eu, fosse você, ia embora.
CORDÉLIA (Para Leônidas) – Cala essa boca.
LEÔNIDAS (Para Rico) – Você vê, eu, que sou
marido dela, não tenho coragem... (Pequena
pausa) Aliás, eu NUNCA tive coragem. Sei nem
por que ela casou comigo. (Tom assustador) Ela
é uma tarada. Uma ninfomaníaca.
RICO (Apreensivo, apertando mais ainda o pau)
– Tô ficando nervoso, acho que vou embora...
45
CORDÉLIA (Calma) – Daqui a pouco você vai,
não tenha pressa. (Para Leônidas) Ele sabe que
eu faço a vida porque tenho que sustentar um
marido deficiente. Já expliquei tudo pra ele, na
rua, antes de vir pra cá.
LEÔNIDAS – A gente vê que ele é ingênuo...
CORDÉLIA (Mudando o tom, ligeira, exagerada
na ternura) – Leônidas, meu bem, você não
quer descer pra comprar o pão e o leite pro
café da manhã?
LEÔNIDAS – A padaria tá fechada.
CORDÉLIA – No botequim você consegue. Todo
mundo sabe que você é meu marido.
LEÔNIDAS – Pra vocês sujarem a minha cama?
Nada disso. Daqui não saio. Eu já estava quase
dormindo quando vocês chegaram.
CORDÉLIA (Para Rico) – Vê como ele é mentiroso?
Quando a gente chegou ele não tava brincando
de mulherzinha? Não tava usando o meu brinco?
LEÔNIDAS – Eu estava fazendo uma experiência.
Estava pesquisando um novo personagem que
tô bolando.
46
CORDÉLIA (Cortando) – Aqui, ó. Vê se no meu
olho tem catarata. Depois vamos ter uma conversinha
a respeito do camafeu da minha mãe.
LEÔNIDAS (Na cama) – Ah, sem essa. Se você tá
a fim, apaga a luz e devora o rapaz aí no chão.
CORDÉLIA – Indecente.
LEÔNIDAS (Ocupando toda a cama) – Só faltava
essa. Na minha cama, nunca!
RICO (Incomodado, sofrendo, apertando o pau)
– Onde fica o banheiro?
LEÔNIDAS (Para Cordélia) – Taí uma ideia: por
que vocês não trepam no banheiro?
CORDÉLIA – Você sabe que não dá, no banheiro.
Tá cheio de roupa estendida, secando...
LEÔNIDAS – Morar em quitinete é um sufoco.
(Tendo outra ideia) E na cozinha?
CORDÉLIA – Você quer dizer... de pé? Parece
que não enxerga, Leônidas! Olha o tamanho do
rapaz e olha o meu!
LEÔNIDAS – Você sobe no banquinho!
CORDÉLIA – Depravado. (Decidida, pega Rico
pela mão e o leva para a cozinha)
47
(Leônidas, sozinho em cena, pula da cama, corre
até a saída para a cozinha, tenta ouvir um pouco
à porta. Em seguida corre de volta à cama e se
enrola numa colcha. Luz vai baixando.)
CENA 3
Em cena, Leônidas e Rico. Ouve-se Cordélia cantando
no banheiro.
RICO – É verdade aquele negócio de gonorreia?
LEÔNIDAS – Não, seu bobo, brincadeira. Era só
pra irritar a Cordélia. (Pequena pausa) Foi bom?
RICO (Satisfeito) – Foi muito bom.
LEÔNIDAS – Foi a primeira vez?
RICO – Com uma coroa, foi.
LEÔNIDAS – Cordélia não é coroa!
RICO – Pra mim, passou dos 20 é coroa.
LEÔNIDAS – Nossa! Que preconceito!
RICO – Que preconceito?! Não falei que foi legal?
(Pausa) A sua mulher sabe das coisas...
48
LEÔNIDAS – Exemplo?
RICO – Não vou ficar entregando, né?
LEÔNIDAS – Por que não? Aqui entre nós... Entre
homens!
RICO – Não, não vou não.
LEÔNIDAS – Paciência. (Pequena pausa) Você
come muitas meninas?
RICO – Gostaria de comer mais. (Desabafando)
Pô, cara, só penso em sexo! Fico de pau duro o
dia inteiro.
LEÔNIDAS (Intelectualmente interessado) – É
mesmo? Então você é um priápico!
RICO (Assustado) – Que é que é isso?
LEÔNIDAS (Professoral) – Uns dizem Príapo, outros,
Priapo. Na Itália, parece que é Príapo. Na
Grécia e no Brasil, Priapo. Eu falo Priapo, mas já
me corrigiram várias vezes. Enfim...
RICO (Ansioso) – Sei, mas o que é isso?
LEÔNIDAS – Priapo é um deus da mitologia grega.
O deus dos jardins. Ele é filho de Dionísio, que
é o deus do tesão, e de Vênus, a deusa do amor.
49
RICO – Mas por que você disse que eu sou priápico?
LEÔNIDAS – Você não disse que fica de pau duro
o dia inteiro?
RICO – Falei, mas e daí?
LEÔNIDAS – Então, esse deus, o Priapo, ele também.
Ele já nasceu de pau duro. E tem gente
que é meio assim. Você, por exemplo. Daí que a
escola freudiana inventou que priápico é quem
fica de pau duro 24 horas por dia.
RICO – Isso é mau?
LEÔNIDAS – Só quem pode responder é você.
(Pequena pausa) Mas na época do deus Priapo,
a vida devia ser bem mais fácil. Naquela época
tinha as ninfas dos bosques, as náiades das fontes...
Elas viviam peladas, tudo era mais saudável,
bem mais livre...
RICO – É, porque hoje não é nada fácil.
LEÔNIDAS – Sofrendo de priapismo você deve
se masturbar muito...
RICO – Pô, cara, você também quer saber de
tudo, hein?
50
LEÔNIDAS – Não... É que eu realmente me interesso
pelas pessoas. Me interessa saber como
elas são, o que pensam, o que praticam...
RICO – Pra quê? Só pra saber?...
LEÔNIDAS – É que um dia eu ainda vou ser um
grande quadrinista. Al Capp, Lee Falk, Alex Raymond,
Walt Disney, Robert Crumb... (Pequena
pausa) Sabe? Os criadores do Ferdinando, do
Mandrake, do Flash Gordon, do Mickey Mouse...
(Pequena pausa) E para ser um cartunista razoável
é preciso, além da imaginação, ter uma certa
cultura, psicologia e experiência. E um bom traço.
Imaginação eu tenho até demais. O que me falta
é experiência. É por isso que eu faço perguntas.
RICO – Não consigo te entender.
LEÔNIDAS – É simples. Você é um priápico e
priápico é tudo o que eu não sou. Eu, pro meu
pênis ficar de pé, você não calcula o sacrifício.
Sou uma pessoa totalmente assexuada. Sexo
jamais passa pela minha cabeça.
RICO – Não acredito.
LEÔNIDAS – Ninguém acredita. Mas é a pura
verdade. (Objetivo) Bem, minha vida sexual não
interessa, voltemos à sua. Eu perguntei e você
não respondeu: você se masturba muito?
51
RICO – Me falaram que faz mal pra saúde.
LEÔNIDAS – Quer dizer que você não se masturba?
RICO (Impacientando-se) – De vez em quando,
não toda hora.
LEÔNIDAS – Toda hora, concordo, não deve fazer
bem. (Mudando de assunto) Você estuda?
RICO – Parei.
LEÔNIDAS (Chocado) – Não gosta de estudar?
RICO (Tentando consertar) – Não, é que tô dando
um tempo. Meu negócio é ficar no sítio, ajudando
meu pai, fazendo galinheiro...
LEÔNIDAS – Onde?
RICO – Em Jacarepaguá.
LEÔNIDAS – Tem namorada?
RICO (Começando a se irritar) – Pô, meu, ‘cê tá
querendo saber de tudo!
LEÔNIDAS (Como quem desiste) – Você não tá a
fim de colaborar, paciência.
52
RICO – Eu gosto de uma menina que mora do
lado. Mas ela não quer nada comigo. Só quer o
cara do outro lado.
LEÔNIDAS – É sempre assim. (Mudando) E a
Cordélia?
RICO – Que é que tem?
LEÔNIDAS – Como foi que vocês se conheceram?
RICO – Foi ali perto do cinema.
LEÔNIDAS (Consigo mesmo, encucando) – Que
esquisito... Ele disse que mora em Jacarepaguá...
(Voltando-se bruscamente para Rico) Como é
que você veio parar aqui no Leblon?
RICO – É que eu tenho uma tia que mora aqui
perto.
LEÔNIDAS – Mas você não estava na sua tia,
estava perto do cinema...
RICO – Pra falar a verdade eu tava era mesmo
a fim dum piço. Daí ela me viu e me chamou.
(Cordélia volta do banheiro cantando e se perfumando
com um spray. Ela joga um pouco de spray
na sala e nos dois. Cordélia procura alguma coisa.)
53
CORDÉLIA (Feliz, falando sem olhar para os
dois) – Nada como um cigarro depois do banho.
(Pequena pausa) Falando mal de mim?
LEÔNIDAS – Ele estava me contando como conheceu
você.
CORDÉLIA (Distraída) – Ah, é? (Pequena pausa)
Que é mesmo que estou procurando? (Abre uma
gaveta, procura, não encontra, volta-se para
Leônidas) Leônidas...
LEÔNIDAS – O quê?
CORDÉLIA – Você pegou meu Continental que
deixei aqui?
LEÔNIDAS – Pra quê?
CORDÉLIA – Me dá.
LEÔNIDAS – Eu fumo, por acaso?
CORDÉLIA – Me dá meu cigarro.
LEÔNIDAS – Ai meu saco!
CORDÉLIA – Leônidas, eu tava guardando aquele
Continental aqui na gaveta fazia uma semana!
Quem ia pegar?
54
LEÔNIDAS – Eu é que vou saber?
CORDÉLIA (Gritando) – Me dá meu cigarro.
LEÔNIDAS (Mesmo tom dela) – Já disse que não
peguei!
CORDÉLIA – Eu quero meu cigarro.
LEÔNIDAS – Ai minha santa paciência!
CORDÉLIA (Desistindo) – Deixa pra lá. Mas você
me paga.
RICO (Apressado) – Eu vou embora. Tenho aula
amanhã cedo.
LEÔNIDAS – Mentiroso.
RICO – Quê?!
LEÔNIDAS – Você falou que não estuda! Te peguei,
hein!
RICO – Tenho aula com meu pai. Ele tá me ensinando
fazer uma coisa.
LEÔNIDAS – Que coisa?
CORDÉLIA (Despachando) – Deixa o menino ir
embora. Já é tarde e ele mora longe. Nós tam-
55
bém precisamos dormir. Amanhã vamos acordar
mais cedo e procurar emprego pra você. (Leônidas
apavorado com essa ideia salta da cama e
corre ao banheiro)
(Cordélia leva Rico até a porta de saída)
CORDÉLIA – Gostou, filhinho? Puxa, você tava
numa!
RICO (Entregando um dinheiro a Cordélia) –
Puxa! Fazia um mês que eu não dava um piço.
CORDÉLIA (Enfiando o dinheiro no peito) – Então
volta daqui um mês e dá outro. (Abre a porta e dá
um beijo em Rico; ele sai. Cordélia fecha a porta.
Leônidas volta do banheiro) Estou exausta. (Cordélia
senta na cadeira de balanço) Que gracinha...
LEÔNIDAS – O quê?
CORDÉLIA – Esse menino... (Enfia a mão no peito
e tira a nota de cem, olha-a orgulhosa) Sabe,
Leônidas, às vezes eu acho que vale a pena fazer
a vida... (Sonhadora) A juventude é uma coisa
tão bonita!...
LEÔNIDAS – E como foi que vocês resolveram lá
na cozinha?
56
CORDÉLIA (Recatada) – Você acha que eu vou
ficar contando?
LEÔNIDAS – Ah, conta... conta... conta.
CORDÉLIA (Alegre, embalando-se na cadeira) – O
menino... Como é mesmo o apelido dele?
LEÔNIDAS – Rico.
CORDÉLIA – O Rico tava tão aflito... Coitadinho.
Daí eu usei um macete e ele não queria mais
parar! Esse menino, pra idade dele, é um prodígio,
um fenômeno! E tem uma ginga! (Pequena
pausa) Duas vezes! Também fazia um mês que
ele não dava um piço. Que gracinha! Tão safadinho!
(Pequena pausa) Existe coisa mais linda
que a juventude? Esse menino... Ele podia até
ser feio... Mas aos 16 anos qualquer pessoa é
bonita. E ele é tão bonito, meu Deus!
LEÔNIDAS – Ficou gamada, é?
CORDÉLIA (Disfarçando) – Não é isso...
LEÔNIDAS – Ficou sim.
(As palavras de Cordélia vão surtindo um efeito
desagradabilíssimo em Leônidas: a consciência
de que já não tem mais 16 anos. E Cordélia continua
no devaneio.)
57
CORDÉLIA – Não é isso, juro. Eu fico assim...
apaixonada... é pela adolescência... (Pequena
pausa) Nós, por exemplo, que já temos quase
30 anos... (Leônidas tapa os ouvidos) Nós somos,
de uma certa forma, jovens, ainda. Nós ainda
somos capazes de inspirar algum sentimento...
Talvez até amor... (Ponderando) É difícil, mas
pode acontecer. Mas o que eu acho triste, no
nosso caso, no meu e no seu, em particular, é
que a gente já não tem mais nenhuma ilusão...
LEÔNIDAS – Você não sabe o que está falando.
Eu ainda tenho muita esperança...
CORDÉLIA (Ignorando a fala dele, continuando) – E
quando a gente já não tem mais ilusão... (Muda o
tom, com garra, acreditando) Leônidas, esse menino
me amou! Eu senti isso. E o que me deixa mais
feliz é que, além dele ter me amado, ele ainda me
pagou! Cem cruzeiros! Cem cruzeiros só pra me
amar! (Excitada, brandindo a nota) Esse dinheiro
pra mim é sagrado. Se eu pudesse, eu nem gastava.
(Orgulhosa) Eu ainda sou capaz de me fazer amar,
de me fazer pagar, por uma criança de 16 anos!
LEÔNIDAS (Constrangido) – Que vergonha, meu
Deus!
CORDÉLIA – Vergonha de quê?!
58
LEÔNIDAS – Cordélia, pra mim é uma tortura
quando você fica mexicana.
CORDÉLIA (Ainda sonhadora) – Se você compreendesse...
LEÔNIDAS – Eu até compreendo. Mas você fica
tão patética, bancando a puta de coração doce...
CORDÉLIA – Será que ele volta, um dia?...
LEÔNIDAS – Quem sabe?
CORDÉLIA (Firme) – Tenho quase certeza que ele
vai voltar... (Pequena pausa. Certa) Ele vai voltar.
(Mudando o tom, objetiva, acordando) Ah, até
me esqueci do seu emprego. Vamos dormir que
amanhã é outro dia.
LEÔNIDAS – Não estou com sono.
CORDÉLIA – Mas eu estou.
LEÔNIDAS – Eu ainda vou ler um pouco.
CORDÉLIA – Nada disso. Nós vamos dormir é
agora.
LEÔNIDAS – Mas eu não estou com sono! Tô com
a pressão alta.
59
CORDÉLIA – E eu com a pressão baixa. Você está
querendo me enrolar. Pra gente perder a hora,
não acordar cedo e não procurar emprego pra
você, pensa que eu não sei?
LEÔNIDAS – Não é nada disso.
CORDÉLIA – Pensa que me engana?
LEÔNIDAS (Emburrado) – Tá bom, vamos dormir.
Mas se eu ficar me virando na cama a noite
inteira, azar o seu.
CORDÉLIA – O meu não, o seu. Se tem uma coisa
que eu não sofro é de insônia. É só eu cair na
cama pra logo puxar o ronco.
LEÔNIDAS (Insistindo) – Vamos deixar esse negócio
de emprego pra depois de amanhã. Só até
eu me acostumar com a ideia.
CORDÉLIA – Nada disso.
LEÔNIDAS – Puxa, Cordélia, eu fiquei até hoje
sem trabalhar...
CORDÉLIA (Decidida) – Amanhã nós vamos procurar
emprego pra você.
LEÔNIDAS – Que é que custa, um dia a mais, um
dia a menos? Que diferença faz?
60
CORDÉLIA – Não me interessa saber.
LEÔNIDAS – Mas Cordélia...
CORDÉLIA – Não interessa.
LEÔNIDAS – Cordélia...
CORDÉLIA – Vá dormir, já.
LEÔNIDAS (Indo pra cama, resmungando) – Que
ódio! Vão me destruir nesse emprego. Tenho
certeza. Mas eu me mato. Juro que me mato.
Blecaute
61
Segundo Ato
CENA 1
Entram Cordélia e Leônidas vestidos com roupa
de quem saiu procurando emprego. Leônidas
entra rindo. Cordélia está furiosa.
CORDÉLIA – Não ri não, que eu tô puta da vida.
Fiquei quieta na rua pra não dar vexame. (Pequena
pausa) Que papel você me faz! A gente entra
no elevador com aquela mulher e você aperta
o botão de todos os andares! (Pequena pausa)
Ora, sim senhor! (Leônidas para de rir e baixa a
cabeça, culpado) Eu morro de vergonha, finjo
que não te conheço e você me cutuca, rindo da
mulher, que ficou uma onça! A mulher ficou uma
arara! E ela era tão distinta. Quase mandou a
bolsa na nossa cara. (Pequena pausa, dramática)
Vinte andares! Parecia que a gente não ia chegar
ao térreo nunca! Tava na cara que a mulher tava
atrasada! (Pequena pausa) Puxa, Leônidas, será
que você não aprende a se portar como adulto?
LEÔNIDAS – Eu te avisei.
CORDÉLIA – Avisou o quê?
LEÔNIDAS – Eu te avisei que não queria procurar
emprego.
CORDÉLIA – E daí? Aqui quem manda sou eu.
LEÔNIDAS – Você sabe que eu não tenho resistência
física para trabalhar.
CORDÉLIA – Você é um covarde.
LEÔNIDAS – Sou mesmo.
CORDÉLIA – Falei com o cara da agência. Ele te
arranjou um emprego de auxiliar de escritório.
Você vai trabalhar oito horas. Sábado e domingo
livre. Dois mínimos, de salário. É pouco, mas pra
quem nunca trabalhou... (Pausa para Leônidas
meditar) Custava você se esforçar um pouco pra
gente fechar o dia com chave de ouro?
LEÔNIDAS – Eu tenho medo.
CORDÉLIA – Medo de quê?
LEÔNIDAS – Você sabe que eu morro de medo.
CORDÉLIA – Eu também tinha medo, idiota. O
começo é sempre difícil. Depois, com o tempo,
a gente acaba se acostumando.
LEÔNIDAS – Prefiro a morte.
CORDÉLIA – Você prefere eu sei o quê. (Pausa).
Pra falar a verdade, não sei como tenho tido
saúde pra te aguentar. Com mais uma dessas
que você me deu hoje, eu te expulso na hora.
63
LEÔNIDAS – Duvido. Você não teria coragem.
Você sabe que outro você não arranja...
CORDÉLIA – O quê?
LEÔNIDAS – Você não vai achar outro pra te
aguentar como eu te aguento.
CORDÉLIA – Não vou?
LEÔNIDAS – Não.
CORDÉLIA – Imagina! É só eu querer.
LEÔNIDAS – Quem, por exemplo?
CORDÉLIA – Bem, tem uns que você não conhece.
Mas um que você conhece... (Pausa para
mistério)
LEÔNIDAS – Quem?!
CORDÉLIA – Quer que eu diga?
LEÔNIDAS – Quero.
CORDÉLIA – Quer mesmo?
LEÔNIDAS – Vai, diz logo.
CORDÉLIA – Tá bom. O Rico.
64
LEÔNIDAS – Aquele menino?
CORDÉLIA – Por que não?
LEÔNIDAS – Ora, não me faça rir.
CORDÉLIA – Pois é, ele mesmo.
LEÔNIDAS – Aquilo foi só uma vez e never more.
CORDÉLIA – Isso é o que você pensa.
LEÔNIDAS – Você só valeu pra tirar o atraso dele.
E se eu te conheço, fogosa do jeito que você é,
deve ter esquentado tanto a coisa que aquele
não vai precisar tirar outro atraso tão cedo.
CORDÉLIA – Você é que não tava lá no lugar dele.
(Suspira prazerosa). O menino saiu daqui gamado.
LEÔNIDAS – Tanto que já deve ter encontrado
outra no mesmo ponto. Aquele você não vê mais.
CORDÉLIA – Imagina. Até parece que não me
conhece. A mamãe aqui é de deixar saudade.
LEÔNIDAS – Deixa de ser vulgarona.
CORDÉLIA – Mas que volta, volta. Certeza absoluta.
LEÔNIDAS – Não se iluda. Ele me contou. Ele é
65
vidrado na garota do portão ao lado.
CORDÉLIA – Não vai ser por isso que ele vai deixar
de aparecer. (Campainha) Quem seria?
LEÔNIDAS – Quem será?
(Cordélia abre a porta. Leônidas, rápido, corre
e ocupa a cama. Entra Rico)
CORDÉLIA – Leônidas, olha só quem está aqui.
RICO (Menos tímido, um pouco mais à vontade)
– Boa-noite.
CORDÉLIA – Fica à vontade, a casa é sua, querido.
LEÔNIDAS (Em devaneio, ligeiramente teatral.)
– Humm, essa coisa de não sair de casa, ter horário
pra nada, passar a vida na cama, não ver
o tempo passar... Isso me deixa numa confusão!
Nunca sei o mês, nunca sei a hora... (Para Rico)
Você sabe que dia é hoje?
RICO – Da semana ou do mês?
LEÔNIDAS – De ambos.
(Cordélia sai para o banheiro)
RICO – Da semana, é segunda... Agora, do mês...
66
CORDÉLIA (Gritando, do banheiro) – Amanhã é
terça, seu primeiro dia de trabalho!
LEÔNIDAS (Respondendo a Rico) – Segunda-feira?
E eu que pensava que fosse quarta! Pra mim é
assim: segunda é quarta, quarta é quinta, sexta
é sábado, domingo é segunda... (Pausa) Eu tenho
uma tia, sabe? Ela é uma das médiuns que mais
recebem lá na minha cidade. E essa tia me disse
que eu sou assim porque esta é a minha última
encarnação. Aqui na terra, bem entendido. (Pausa)
Depois eu vou começar tudo de novo, só que
num outro planeta. (Pequena pausa) Talvez com
umas antenas na testa... (Desolado, existencialista)
Você já pensou, começar tudo de novo?... (Reconsiderando)
Se bem que de antena na testa...
Será que vou me adaptar? Com as antenas, com
o planeta... (Pequena pausa).Uma, duas, três, várias
encarnações... Aí, de novo mandado a outro
planeta. E depois outro, mais outro... Acho que
isso não tem fim, enquanto a gente não atingir a
perfeição cósmica. Daí quem sabe voltar à Terra...
Numa condição diferente... Não como ser humano,
mas... pássaro, peixe... (Tomado) Se, quando
eu atingir a perfeição, algum Ser Supremo me
der a liberdade de escolha e a chance de voltar à
Terra... Digamos que eu escolhesse voltar como
pássaro... Mas que pássaro? Andorinha, gavião,
pintassilgo, beija-flor... (Decidido) Amanhã mes-
67
mo vou começar estudar Ornitologia.
CORDÉLIA (De volta do banheiro) – Você falando
bobagem, o Rico vai pensar o que da gente?
LEÔNIDAS – Já decidi. Escrevo à minha tia para
esclarecer algumas dúvidas sobre reencarnação e
amanhã mesmo vou pegar firme em Ornitologia.
CORDÉLIA (Para Rico) – Meu bem, você, por
acaso, teria um cigarro?
RICO – Claro. (Tira um cigarro do maço e oferece
a Cordélia)
CORDÉLIA – Hummm, de filtro! Que chique!
(Arranca o filtro, vira o cigarro do lado contrário,
coloca-o na boca, oferecendo-se para Rico
acendê-lo) Não aguento cigarro de filtro (Dá
uma longa baforada) Nada como um cigarro
para relaxar os nervos.
RICO (Para Leônidas) – Você quer um?
LEÔNIDAS – Não, muito obrigado, não fumo.
CORDÉLIA (Para Rico) – Meu bem, será que você
pode me deixar uns dois?
RICO – Eu também não fumo. Eu trouxe este
maço pra você.
68
CORDÉLIA – Não diga! Que gracinha! (Mais
que rápida, pegando o maço) Viu, Leônidas,
quando eu disse? (Para Rico) Meu anjo, você já
fumou quantos?
RICO – Eu disse que não fumo, mas fumei um,
para experimentar.
CORDÉLIA (Fazendo a conta de cabeça) – Um
só? (Pequena pausa). Um seu e um meu: dois.
Ficam sobrando dezoito. (Olha para Leônidas,
desconfiada) Deixa eu guardar. Leônidas, aqui
tem dezoito cigarros, contadinhos. Se você pegar
um, eu acabo com a tua raça. (Silêncio).
RICO (Sentando-se na cadeira de balanço) – Tô
atrás de uma informação. Será que é fácil arranjar
emprego em navio mercante?
LEÔNIDAS – Sei lá, você me parece muito novo
para trabalhar em navio mercante. Os marinheiros
vão querer te faturar.
RICO – Que nada. Eu tenho um tio. Hoje ele mora
na Pensilvânia. Ele começou na minha idade.
Marinha mercante. Viajou o mundo inteiro.
LEÔNIDAS – Qual é o seu signo?
CORDÉLIA – Puxa, Leônidas, você vai começar de
69
novo esse papo furado de horóscopo?
LEÔNIDAS (Corrigindo-a) – Astrologia.
RICO – É...
LEÔNIDAS (Cortando) – Espera um pouco... não
fala... deixa eu ver... (Concentra-se, a mão na testa)
Deixa eu pensar... (Pausa. Observa Rico) Aquário.
RICO – Nasci no dia 5 de fevereiro...
LEÔNIDAS – Batata. Segundo decanato. Viu,
Cordélia, viu só?
CORDÉLIA – Você chutou.
LEÔNIDAS (Para Rico) – Ela não me leva a sério
quando falo de Astrologia.
CORDÉLIA – Eu não te levo a sério nunca.
LEÔNIDAS (Entusiasmado, para Rico) – Você sabe
que o signo de Aquário é o mais evoluído? As
pessoas do seu signo são cem anos adiantadas
sobre as pessoas dos outros signos e, quem sabe,
até mesmo sobre as do próprio signo, sabe como
é? São geralmente altas...
CORDÉLIA – E aquele seu primo?
70
LEÔNIDAS – Eu disse geralmente. E depois, ele
não é meu primo. Além do que, ele é do primeiro
decanato e, se você me permite, estou falando
do segundo. (Isto posto, inspira fundo e continua)
Lincoln, Júlio Verne, Mozart, Bertolt Brecht,
e até mesmo aquela atriz, a Jeanne Moreau...
(Pequena pausa) Você certamente já ouviu falar
dessas pessoas...
RICO – Não. Nunca.
LEÔNIDAS – Ótimo. Nota 10 em autenticidade.
Sinal de que você ainda tem tudo pela frente.
(Começa) As pessoas do teu signo são confusas,
revolucionárias, egoístas, impacientes, ciclotímicas...
RICO – Que é que é isso?
LEÔNIDAS – Ciclotímica?
RICO – É isso mesmo. Que é que é isso? Outro
dia você falou que eu era priápico... e agora tá
falando isso aí...
LEÔNIDAS – Numa outra oportunidade eu explico.
(Continuando) Apesar de ser o signo, do
futuro, é também o do passado, o que pode
parecer ambíguo, mas não é. E logo você vai
compreender por quê. (Muda o tom) Aquário é
71
o signo da amizade. Nada de amor. Por causa da
ciclotimia, você é o tipo da pessoa destinada à
independência total. Livre para enfrentar todos
os riscos maravilhosos que a vida atual oferece.
Escapar, fugir, você não é de ficar preso. (Pequena
pausa) Certo? O seu signo se dá perfeitamente
com o meu, Escorpião. (Olhando para
Cordélia) Agora tem uma coisa: você deve fugir
das pessoas de Peixes, que são muito negativas...
CORDÉLIA – Hummm, Leônidas, tu fica tão fresco
quando começa a falar de horóscopo!
LEÔNIDAS (Corriginda-a) – Astrologia.
CORDÉLIA – Foda-se. (Para Rico) Sabe com quem
ele aprendeu essa bobagem?
LEÔNIDAS (Reverente) – Com o grande Krishna
Iogue lá em Friburgo.
CORDÉLIA – Imagina! Um boliviano metido a
hindu. Um depravado que vive em função do
Kama Sutra. Um indecente, que vive com uma
piranha romena, que tem uma parenta examante
de um deputado cassado. Esse grupo é
conhecido lá em Friburgo como a família Trepa.
Foi no meio desse povo que ele aprendeu a tirar
mapa astral.
LEÔNIDAS – Ele nem ouviu o que você disse.
72
CORDÉLIA (Para Rico) – Ainda por cima tá te
chamando de tapado.
LEÔNIDAS (Místico) – Ele é um iluminado. Um
santo.
CORDÉLIA (Debochando) – É mesmo? Que interessante!
LEÔNIDAS – Ele sintoniza coisas que você, com
sua mente suja, não percebe.
CORDÉLIA – Ah é? Então pergunta se ele tá me
sintonizando lá na esquina? (Prática) Sim, porque
vou deixar vocês sozinhos, concentrados.
Vou fazer a vida. Aqui nesta casa, tô percebendo,
um é pouco, dois é bom, três é demais. A
demais, agora, sou eu. Vamos ver se quando eu
voltar a coisa muda. (Para Leônidas) Acho bom
você dormir cedo. Amanhã você vai ter que enfrentar
o batente. (Começa a se preparar e vai
ao banheiro)
RICO (Apertando o pau, para Leônidas) – Eu vim
aqui pra dar um piço. Você pode dar um toque
aí, na Cornélia?
LEÔNIDAS (Corrigindo-o) – Cornélia, não, Cordélia.
RICO (Consertando) – É, Cordélia.
73
LEÔNIDAS – Acho que agora não convém. (Pequena
pausa) Você não acha ela vulgar, às vezes?
CORDÉLIA (Voltando) – Que é que vocês dois
estão aí cochichando?
LEÔNIDAS – Não é de você.
CORDÉLIA (De saída) – Acho bom mesmo. Bem,
já vou indo. Vou ver se descolo alguma grana
pra quebrar o nosso galho amanhã e depois. (Dá
um beijo no rosto de Leônidas e outro em Rico.
Sai desanimada.).
LEÔNIDAS – Essa minha mulher não regula!
Será que ela não percebeu que você veio pra
fazer programa com ela? (Pequena pausa) Você
trouxe dinheiro?
RICO – Trouxe.
LEÔNIDAS – Quanto?
RICO – Cem cruzeiros.
LEÔNIDAS – Nossa! Onde é que você consegue
tanto?
RICO – Transei um galinheiro de arame que tava
jogado fora lá no sítio. Vendi pro sítio do lado.
74
LEÔNIDAS – Então vamos fazer um negócio.
Você me dá os cem cruzeiros que tô precisando
pra comprar revistas e material, trepa com a
Cordélia e pode ficar aqui quanto tempo você
quiser. (Pequena pausa) Topa?
RICO – Você acha que ela vai topar?
LEÔNIDAS – Claro, seu bobo. Ela te adora!
RICO – Então topo.
LEÔNIDAS – Que ótimo! Vou até fumar um cigarro.
(Vai até o lugar onde Cordélia guardou
o maço, pega um e acende).
RICO – Ah, então também quero um.
LEÔNIDAS (Prudente) – Vamos nesse aqui mesmo.
Eu fumo um pouco e te dou. O maço está
cheio, ela não vai sentir falta de um. (Pausa. Contente)
É inacreditável a gente ter visita por uns
dias. Acho essa ideia muito estimulante. Nunca
ninguém vem visitar a gente, sabia?
RICO – Vocês não têm família?
LEÔNIDAS – A minha família nem sabe onde eu
ando. Quando saí de casa, lá no sul de Minas, eu
disse pro meu pessoal que não ia mandar notícia
enquanto não tivesse me acontecido uma coisa
75
muito importante. Pra eles não ficarem preocupados,
sabe? (Pequena pausa) Como até agora
não me aconteceu absolutamente nada, até hoje
não mandei nenhuma carta. E pelo jeito eles
nunca vão receber notícias minhas.
RICO – Vocês são bem diferentes mesmo, hein?!
E faz tempo que você saiu de casa?
LEÔNIDAS – Uns seis ou sete anos, já perdi a conta.
RICO – Nossa! E a família da Cordélia?
LEÔNIDAS – Cordélia deve ter aprontado alguma.
Foi expulsa de casa quando tinha quinze
anos. É outra que nunca mais viu a família. Sabe
aquele camafeu que ela vive pedindo? Parece
que ela ganhou da mãe, quando era menina. Um
dia a mãe dela descobriu o endereço e pintou
aqui. Veio buscar o camafeu. Disse que a Cordélia
não era digna dele. Disse que era uma relíquia de
família que vinha sendo passada de geração para
geração, e que agora, por dignidade, ia para a
irmã da Cordélia, que é mais correta que ela.
RICO (Sensibilizado) – E você entregou o camafeu?
LEÔNIDAS – Se eu não entregasse... acho que a
mulher me estrangulava! Eu tava sozinho em
casa! Cordélia tava trabalhando. Até hoje ela não
sabe. Pensa que fui eu que sumi com o camafeu!
76
RICO – Por que você não contou?
LEÔNIDAS – Cordélia ia morrer de tristeza.
RICO – Coitada!
LEÔNIDAS – Não é de cortar o coração? (Pausa.
muda de assunto. Fraterno) Sabe duma coisa?
Acho você um cara muito bacana. Taí, gosto de
você. Gosto de conversar com você. Eu falo, falo,
você fica calado, ouvindo, interessado, registrando...
Acho isso ótimo. (Pequena pausa. Medita)
É... Aquário... (Levanta-se)
RICO (Cobrando) – É. Mas você ainda não me
falou o que é ciclotímido.
LEÔNIDAS (Indo apanhar um grosso e antigo
dicionário caindo aos pedaços) – Ciclotímido não.
Ciclotímico. Você sempre me entende mal. (Passa
o dicionário a Rico) E nunca deixe de consultar o
dicionário, quando em dúvida. Letra c. (Pequena
pausa) E fique à vontade, enquanto vou ao banheiro.
Faça desta a sua casa. Se se sentir mais à
vontade pelado, fique.
(Leônidas sai para o banheiro. Rico, na cadeira
de balanço folheia o dicionário à procura da
palavra. Luz vai baixando.)
77
CENA 2
Noitinha do dia seguinte. Em cena, Rico e Leônidas.
Leônidas na cama e Rico na cadeira de
balanço. Ambos absortos na leitura de revistas
em quadrinhos, que Leônidas deve ter comprado
com os cem cruzeiros de Rico. Soa a campainha.
Leônidas pula da cama, corre e se fecha
no banheiro. Rico abre a porta. Entra Cordélia
desgrenhada e furibunda.
CORDÉLIA – Cadê aquele cretino?
RICO (Temeroso) – Acho que ele... (Olhando para
o banheiro) saiu.
CORDÉLIA (Desconfiada) – Ah sei... (Vendo a
porta do banheiro fechada) Vou me lavar. Quem
trancou a porta do banheiro? (Pequena espera)
Leônidas, vai abrindo a porta! (Espera) Leônidas,
quer abrir essa porta?
LEÔNIDAS (De dentro) – Já vou. (Continua no
banheiro)
CORDÉLIA – Seu cretino. Tinha que me dar uma
dessa?
LEÔNIDAS (De dentro) – Sabe o que aconteceu?...
CORDÉLIA – Não vem com desculpa. Você tinha
78
que sujar a minha barra. (Para Rico) Telefono
toda contente para a agência, pra saber como é
que estava indo o meu maridinho no emprego...
e sabe o que o moço responde? (Pequena pausa)
Que o meu maridinho simplesmente não foi
trabalhar. Nem telefonou. Já imaginou a minha
cara? Tive que inventar uma desculpa. Que meu
marido teve uma crise de colite na véspera. Que
deve ter sido por isso que ele não foi. Mas daí o
moço da agência, um rapaz por sinal muito educado,
disse que não tinha importância, que tinha
outro emprego. Só que pra ganhar bem menos.
(Lógica) É aquela coisa: foi ao vento, perdeu o
assento. (Alto, para Leônidas) Você não vai sair?
LEÔNIDAS – Já vou.
CORDÉLIA – Sai logo que eu não vou te bater,
não. (Leônidas sai)
LEÔNIDAS – Nossa, Cordélia! Você tá destruída!
Que que aconteceu?
CORDÉLIA – Que que aconteceu, que que aconteceu...
(Cara amarrada) Eu tava tão puta por
sua causa que assim que saí do escritório resolvi
rodar a bolsa. (Pequena pausa) Daí um turco
me apanhou, dizendo que me dava cinquenta
cruzeiros se eu fosse com ele. (Pequena pausa)
Não pensei duas vezes, claro que fui. O turco
79
tinha um nariz que... sai da frente. E um bigodão
que só o Omar Shariff. Fiquei com medo, mas...
Entramos no táxi. Mal fechou a porta, já foi logo
enfiando a mão entre as minhas pernas. Nem aí
com o motorista. Esqueci tudo, fui ficando fraca
e o turco, mais que depressa, arrancou fora a
minha calcinha. O motorista levou a gente num
canto lá da Barra e foi dentro do carro mesmo. O
turco bem que estava gostando que o motorista
ficasse olhando a gente se sacanear. E pra encurtar
a história, deixei o motorista se satisfazer com
os meus pés enquanto o turco se satisfazia com
o resto. Eu mesma estava noutra. Aproveitei a
sacanagem pra fazer uma espécie de introspecção.
E sabe duma coisa? Cheguei à conclusão de
que não sou nem bem uma biscate, nem bem
uma auxiliar de escritório e nem bem uma dona
de casa... (Pequena pausa) E além disso, durante
toda a sacanagem, eu só pensava em você.
LEÔNIDAS – Em mim?
CORDÉLIA – Em você mesmo. Nas duas vezes que
atingi o orgasmo, eu chamei o seu nome.
LEÔNIDAS – Como?
CORDÉLIA – Disse o seu nome em voz alta, ora!
LEÔNIDAS – Você é muito burra, Cordélia! Não
80
precisava ter passado por esse vexame. Podia ter
vindo pra casa.
CORDÉLIA – E a gente ia comer o quê? O quê,
me diz? Não posso mais fazer vale no escritório.
LEÔNIDAS – Mas desde ontem o Rico está aqui...
CORDÉLIA – Eu disse comer. Dinheiro pra comer!...
RICO – Eu trouxe cem cruzeiros...
CORDÉLIA (Imediatamente contente) – Cem cruzeiros!!!
Maravilha! Com os cem do Rico mais os
cinquenta do turco... (Saindo para o banheiro) A
gente podia dar uma festa! (Sai e começa a cantar
uma música qualquer do hit parade da época)
(Luz vai baixando).
CENA 3
Noite do dia seguinte. Uma luz verde-azulada
em resistência cria um déjà-vu de sonho. Em
cena, Leônidas e Rico, um em cada canto do pé
da cama, soprando bolhas de sabão. Leônidas
de vez em quando para de soprar e, obstinado,
vira páginas do dicionário a seu lado, procurando
alguma palavra.
81
LEÔNIDAS (Admirando as bolhas que soprou) –
Olha só, que lindas!
RICO – Que é que você tá procurando no dicionário?
Ciclotímico?
LEÔNIDAS – Não! Ciclotímico nem passou pela
minha cabeça.
RICO – Você se enganou. Eu não sou nada disso.
LEÔNIDAS (Soprando bolhas) – Eu gosto quando
elas demoram a estourar. Eu gosto quando elas
se desfazem no chão.
RICO (Sopra rápido e diz) – Eu gosto quando
estóra logo.
LEÔNIDAS – Eu não quis dizer que você, particularmente,
é um ciclotímico. O que eu quis
dizer é que algumas pessoas do teu signo são.
Ou mesmo de qualquer outro signo.
RICO – Ah, bom! Aí sim, concordo. (Pequena
pausa) Uma que é completamente ciclotímica
é a Cordélia.
LEÔNIDAS (Interessado) – Em que sentido?
RICO – Toda hora ela muda. Uma hora tá alegre,
de repente fica triste. Tá boazinha, de repente
vira fera.
82
LEÔNIDAS – Você tem razão, eu nem tinha percebido!
A Cordélia é ciclotímica, quem diria?!!!
RICO (Apertando o pau, distraidamente) – Ela
tá demorando...
LEÔNIDAS – É que é fim de mês... Fim de mês ela
sempre faz hora extra.
RICO – Ela não vai te pegar de tapa? (Pequena
pausa) Você nem deu as caras no outro emprego
que ela te arrumou...
LEÔNIDAS – Não posso começar a trabalhar dum
dia pro outro. Primeiro tenho que preparar o
meu espírito. Fazer meu espírito se acostumar
com a ideia... (Pequena pausa) Isso leva tempo!
(A porta se abre e entra Cordélia)
CORDÉLIA (Desanimada) – Não foi trabalhar de
novo, não é?
LEÔNIDAS (Desculpando-se) – Não... Eu ia trabalhar
mas depois pensei: (Decidido) Não, não
vou trabalhar.
CORDÉLIA (Irônica e amarga, ainda que afetiva,
vai lá e acaricia os cabelos dele) – Você deve ter
queimado todos os seus neurônios, até chegar
a essa decisão.
83
LEÔNIDAS – Não, até que não. Bastou uma frase...
(Pequena pausa) Me lembrei de quando era menino
e frequentava o catecismo... Tinha um padre
que dizia, sempre: Seja honesto consigo mesmo.
CORDÉLIA (Distante) – E o que é que tem a ver
o cu com as calças?
LEÔNIDAS – Adivinha o que eu fiquei fazendo
o dia inteiro?
CORDÉLIA (Preguiçosa) – Não tô com vontade.
LEÔNIDAS (Insistindo) – Adivinha.
CORDÉLIA – Eu ia ter que passar a noite inteira
adivinhando. Sua imaginação não tem limite e
a minha paciência já tá na raspa do tacho.
LEÔNIDAS (Animado) – Passei o dia lendo o
dicionário... Procurando uma palavra linda,
diferente...
CORDÉLIA – Mais um adjetivo?...
LEÔNIDAS – Não, um substantivo. Um substantivo
para eu usar como adjetivo para a minha
pessoa. Uma palavra fora de moda, esquecida...
CORDÉLIA (Preparada para mais uma) – Sei.
84
LEÔNIDAS – Fui procurando, procurando... até
que...
CORDÉLIA (Cortando) – Encontrou?
LEÔNIDAS – Encontrei. Na letra p. Estou apaixonado.
Adivinha que palavra?
CORDÉLIA (Conhecendo Leônidas como ela o
conhece): Prestidigitador.
LEÔNIDAS (Estupefato) – Nossa, Cordélia, às
vezes você me assusta! Às vezes você me parece
tão ligada! Como foi que você adivinhou?!
CORDÉLIA (Quilometrada) – Uma vez eu também
fiz isso. (Mudando o tom, impaciente) Passei o
dia lendo o dicionário. Atrás, talvez, dessa mesma
palavra. De modo que, quando você disse
Letra p, eu pensei: só pode ser prestidigitador.
LEÔNIDAS – Você sabe o que significa?
CORDÉLIA – Menor ideia.
LEÔNIDAS – Vem do Latim... Praesto igual a
rápido; e Digitu igual a dedo...
CORDÉLIA – Sei.
85
LEÔNIDAS – Aquele que possui o dom de produzir
ilusão pela rapidez das mãos.
CORDÉLIA – Bem, até aí morreu o Neves...
LEÔNIDAS (Dicionário) – Aquele que, pela ligeireza
das mãos, faz deslocar ou desaparecer
coisas, sem o espectador ver como...
CORDÉLIA – Haja vista o camafeu de minha
mãe...
LEÔNIDAS (Continuando) – Ilusionista, pessoa
que exerce a prestidigitação, ou seja, a bruxaria,
a magia, o encanto...
CORDÉLIA – Não vejo nenhuma ligação nisso que
você acaba de dizer... com aquilo que você é.
LEÔNIDAS – A vida é uma ilusão...
CORDÉLIA – Isso pra mim nunca foi novidade.
LEÔNIDAS (Continuando) – A vida é uma ilusão e
eu, como prestidigitador, faço da vida o que bem
entendo. Isto é, nada, por enquanto. (Silêncio)
CORDÉLIA (Fatídica) – Tô numa fossa, hoje!
Que fossa!
LEÔNIDAS (Vendo Rico cochilando na cadeira
de balanço, com a mão abandonada no pau) –
86
Acho engraçado o seu novo namorado, dorme
o tempo todo.
CORDÉLIA (Abstraída) – Que fossa!
LEÔNIDAS – Que é que você tem?
CORDÉLIA (Esmaecida) – Estou arrasada.
LEÔNIDAS (Suave) – Cordélia...
CORDÉLIA (Apagada) – Arrasada...
LEÔNIDAS – Cordélia...
CORDÉLIA – Fala.
LEÔNIDAS – Com quantos homens você já mandou
brasa?
CORDÉLIA (Reanimada) – Deixa eu ver. (Salta e
corre para a estante, de onde pega um caderninho)
Deixa eu ver, meu diário tá meio desatualizado...
Deixa eu ver... (Pequena pausa) 114.
LEÔNIDAS – Nossa!
CORDÉLIA – 114, não é mole!
LEÔNIDAS – E os dois de ontem?
87
CORDÉLIA – 115.
LEÔNIDAS – Não foram dois?
CORDÉLIA – Não, seu besta. Fiz sacanagem. com
os dois, mas só um...
LEÔNIDAS – Sacanagem não conta?
CORDÉLIA – Claro que não! Se eu fosse contar...
LEÔNIDAS – Puxa! E você ainda se queixa...
CORDÉLIA – Se você estivesse na minha pele... Se
passasse o que eu passo... (Mudando de assunto,
alegre) Ah, mas eu estou tão feliz! (Conta) Eu
tava rodando a bolsa pela praia, quando um
fotógrafo americano, vistoso, a cara do Steve
McQueen, só que mais encorpado... (Pequena
pausa) Ele me viu, me chamou num canto e
perguntou se eu deixava ele tirar umas fotos...
(Pequena pausa) Ele disse que estava fazendo
uma reportagem sobre mulheres típicas, para
uma revista da pesada. Eu não sei o que é que
tenho de típica. Mas daí ele me levou num lugar
ali na praia... Tava escuro, mas a máquina dele
era de flash... (Pequena pausa) Ele queria que eu
ficasse pelada. Eu disse... pelada, não. Mas daí
ele me ofereceu dez dólares e eu... tu já viu, né...
Aceitei na hora. Não tinha ninguém na praia...
88
(Pequena pausa) Se você visse as posições que
eu fazia...
LEÔNIDAS – É até capaz de você ficar famosa!
CORDÉLIA – Enquanto ele me fotografava, eu
pensava: Se eu morrer amanhã, morro descansada.
Pelo menos uma coisa eu deixo neste mundo:
a minha fotografia.
LEÔNIDAS – Passarinho que come pedra sabe o
cu que tem.
CORDÉLIA – Que foi que você disse?
LEÔNIDAS – Nada. Estava só lembrando dum
ditado que minha avó usava muito.
CORDÉLIA (Contente) – O americano fotografou
tanto a minha bunda! Estou tão feliz! Hoje eu
queria... Hoje estou preparada, mesmo, para
ouvir música. Nada de cha-cha-cha. Hoje eu
quero música clássica. Clássica. Cheia de trompas,
pratos, tambores, sinos, violinos. Uma música
exultante, exaltante. Hoje eu quero ópera, Bizet!
Quero ouvir vozes, vozes humanas... Gritando,
berrando! Qualquer coisa que exulte o sexo e
exalte a bunda! Opera, ópera! Nem que seja uma
ópera bufa! (Mudando o tom, normal) Que que
é mesmo ópera bufa?
89
LEÔNIDAS – Tem nada disso aqui. Só tem aquele
disco do Perez Prado.
CORDÉLIA – Serve também. (Leônidas põe um
mambo na vitrola) Estou tão excitada! Imagina,
ser chamada para ser fotografada nua! Vou até
fazer uma extravagância...
LEÔNIDAS – O quê?
CORDÉLIA – Vou fumar um cigarro. Deixo a
bagana pra você. (Vai ao lugar onde deixara
guardado o maço, pega-o, olha desconfiada para
Leônidas e começa a contar, ao som do mambo,
acompanhando o ritmo com o corpo enquanto
conta) Por via das dúvidas... Um, dois, três, chacha-
cha, quatro, cinco, seis, cha-cha-cha! E sete,
oito, nove, cha-cha-cha, e dez, cha-cha-cha, e
onze e doze e treze e catorze, quinze dezesseis,
dezessete... (Olhar furioso para Leônidas) Não
é possível! (Espalha os cigarros sobre a mesa e
recomeça, sem ligar se toca música ou não) Um,
dois, três, quatro...
LEÔNIDAS (Com medo) – Eu fumei um cigarro seu.
CORDÉLIA (Cobrindo o rosto com as mãos crispadas)
– Minha mãe santíssima!
LEÔNIDAS (Temendo) – Cordélia...
90
CORDÉLIA – Meu Deus do céu!
LEÔNIDAS – Eu fumei só um. Tinha dezoito! Um
não ia fazer falta!
CORDÉLIA – Você não tem o menor respeito
por mim!
LEÔNIDAS – Não foi falta de respeito! Foi só um
cigarro!
CORDÉLIA – Você fumou meu cigarro pelo simples
prazer...
LEÔNIDAS (Adiantando-se) – De fumar!
CORDÉLIA (Puta da vida) – De me deixar furiosa.
LEÔNIDAS (Humilde) – Eu estava ansioso. Precisei
fumar.
CORDÉLIA – E se não tivesse cigarro?
LEÔNIDAS – Mas você tinha 18!
CORDÉLIA – Então! Dava pra 18 semanas! Um
cigarro por semana!
LEÔNIDAS (Pouco caso) – Pra fumar um cigarro
por semana...
91
CORDÉLIA – Você sabe que eu vivo a semana
inteira em função do meu cigarro semanal!
LEÔNIDAS – Que ideia mais fixa!
CORDÉLIA – Você é mau pra mim. Você não tem
a mínima consideração por mim! Apesar de tudo
o que eu faço por você! Dois anos me matando
pra te sustentar!
LEÔNIDAS – Mas Cordélia...
CORDÉLIA – Fazendo o papel de puta sem ser.
Dois anos dando pra Deus e o mundo, mas na
hora H sempre com o pensamento em você, dizendo
o seu nome! Desde que te conheci sempre
fui fiel a você!
LEÔNIDAS – Em pensamento.
CORDÉLIA – Em pensamento mesmo. Quer
fidelidade maior que essa? (Chorando) Desgraçado!
Ordinário! Coisa ruim! Enquanto eu
me apodreço, engordo, emagreço, barriguda,
bunduda, cheia de pneus, barrancos, varizes,
rugas, olheiras e papadas, você fica deitado, se
conservando...
LEÔNIDAS – Você sabe que eu sofro de pressão...
92
93
CORDÉLIA – Ainda por cima, debochado. O dia
que eu virar um bucho completo você se manda,
pensa que eu não sei?
LEÔNIDAS – Cordélia, é mais fácil você me abandonar
primeiro! Ai como você exagera!
CORDÉLIA – Você me enganou. Você vive me
enganando. A cada dia você me agride com uma
nova trapaça. Você rouba o meu cigarro, toca a
campainha da francesa, não comparece ao trabalho,
some com o camafeu de minha mãe, que
ela me deu antes de morrer... camafeu que tinha
sido da minha bisavó, da minha avó, da minha
mãe e meu! Era uma joia que a minha maldita
família vinha passando de geração a geração!
LEÔNIDAS – O camafeu não fui eu.
CORDÉLIA (Patética) – Eu guardava aquele camafeu
com todo o carinho. Na esperança de
um dia passar pra minha filha. Eu, que sonhava
tanto ter uma filha! Uma filhinha a quem eu
pudesse ensinar tudo o que essa vida maldita me
ensinou. Pra minha filhinha não cair na mesma!
(Retoma, forte) Burra que fui! Idiota, que sou!
(Volta) Uma filhinha me esperando de sorriso
na cara toda tarde, depois de um maldito dia de
serviço! Uma filhinha pra dar de mamar, embalar
e fazer nanar, toda noite, com o mesmo sorriso
94
encantador! Claro que eu ia acabar acreditando
em Deus! Ia ter pelo menos um motivo pra acreditar
em Deus! (Pequena pausa) Mas não. Com a
vida que eu levo, com a vida que passo, não dá
para acreditar em nada, quanto mais em Deus!
Estou exausta, exausta de te aturar! De ver você
com essa cara de inocente me passando pra trás.
LEÔNIDAS – Por um cigarro?!
CORDÉLIA – Por um cigarro, sim. Mas podia ser
por qualquer outra coisa. Se tivesse outra coisa.
LEÔNIDAS – E você? Você também não me
engana?
CORDÉLIA – Não, meu amor, eu nunca te enganei.
Tudo que fiz, tudo que faço, não teve um
dia que, chegada em casa, eu não contei pra
você. Além do mais, (Aponta) meu diário sempre
esteve ali. (Pequena pausa) Eu não te engano,
não. Nunca menti pra você.
LEÔNIDAS – Eu é que vou saber?
CORDÉLIA – Além de tudo é mesquinho.
LEÔNIDAS – Você pode ter me escondido muita
coisa...
95
CORDÉLIA – Nunca deixei de te contar um só
detalhe dos vexames que passei, seu ordinário.
(Pausa. Aos prantos) Eu quero a minha mãe! (À
comoção) Sou uma amaldiçoada!
LEÔNIDAS (Constrangidissimo) – Que coisa desagradável
Que vergonha, meu Deus!
CORDÉLIA – (Brusca e possessa) – Quer saber
duma coisa? RUA!
(Cordélia continua, não para. Enquanto isso,
na cadeira de balanço, Rico, que durante esta
sequência vez e outra teve espécies de principio
de convulsão no cochilo, sempre apertando o
pau e mudando de lado na cadeira, agora tem
quase um orgasmo no cochilo e se contorce.
Cordélia não percebe nada disso e continua.
Para Leônidas)
LEÔNIDAS – O quê?
CORDÉLIA – RUA!
LEÔNIDAS – Mas Cordélia...
CORDÉLIA (Desvairada) – Rua, já disse! (Para
Rico) E ele também. Já me encheu o saco esse
silêncio idiota! (Sacudindo Rico e acordando-o)
Você também, RUA!
96
RICO (Acordando atônito) – Ahnn???
CORDÉLIA (Ignorando os dois) – Quero ficar sozinha,
sozinha! Quero pensar, planejar. (Louca)
Já sei o que vou fazer! (Dá uma olhada ampla
para o cômodo todo) A partir de amanhã vou
trabalhar feito louca, fazer muito extraordinário,
vou levantar um dinheiro e vou pintar tudo isso
aqui de vermelho e vou transformar esta merda
num bordel!
LEÔNIDAS – Mas Cordélia, você não pode fazer
isso! Puxa, nós vivemos tão bem nesses dois anos
de casados!
CORDÉLIA – Casados, uma ova! Você lembra?
Quando eu quis casar com você? O que você disse?
Casamento sei lá o quê, bebebé-bababá... Você
não lembra? (Pausa) Casar mesmo, você nunca
quis. Você continuou Leônidas Barbosa, e eu,
Cordélia Brasil... Unidos enquanto deu pé. Agora
não dá mais. Pode pegar suas coisas e se mandar.
LEÔNIDAS – Você quer que eu vá embora, eu
vou. Só que eu acho que você está sendo precipitada!
Por causa de um cigarro...
CORDÉLIA – O cigarro foi apenas a gota d’água.
Cansei. Descobri agorinha mesmo que, do jeito
que a gente vive, a gente simplesmente não
existe. Eu e você não existimos.
97
LEÔNIDAS – Jogar dois anos fora?! Isso é maldade...
CORDÉLIA – Eu sempre fui má. Só que agora vou
ser péssima. Vou dar sentido à minha vida. Quero
ser uma putona. (Pequena pausa) Não sei como
te aturei até hoje. Você é muito gelado pro meu
gosto. Uma mulher com o MEU temperamento!
LEÔNIDAS – Você nunca se queixou...
CORDÉLIA – Porque eu era tímida. Os primeiros
quatro meses juntos até que você mandava uma
brasa legal. Depois, de repente, parou. E eu não
tinha coragem de chegar perto. Você me intimidava.
Sei lá, você tinha uma cara de padre. E eu
aflita, precisada, sem ter coragem...
LEÔNIDAS (Intimidado) – Não gosto de falar
dessas coisas.
CORDÉLIA – Passei seis meses na maior ansiedade.
Uma mulher com o meu temperamento!
Seis meses... Daí que vi que você não regulava.
Perdida a paciência, resolvi sair por conta própria.
(Pequena pausa) Aguentei sua presença
dois anos! (Leônidas, desolado, começa a juntar
suas coisas). Dois anos. Esperando que, com o
tempo, você mudasse. No fundo eu levava a sério
a sua ideia de ser cartunista. Esperava que um
dia você caísse na real e, em vez de história em
98
quadrinhos, escrevesse um romance. Um grande
romance, um romance de quase trezentas páginas,
o romance da MINHA vida. (Pequena pausa)
Um livro pra virar best-seller, render muito dinheiro,
pra gente dividir os lucros e tirar o pé da
lama. (Mudando o tom) Agora pode ir embora.
Pode deixar que esse romance eu mesma escrevo.
(Pequena pausa) Amanhã mesmo vou falar
com duas biscates que conheço. Trago elas pra
cá. Boto uma tabuleta na parede: NESTA CASA
ABUNDA O PRAZER. Ou então: NESTA CASA
IMPERA A DEPRAVAÇÃO E O VÍCIO. (Pequena
pausa) Quero muita sordidez, muita sacanagem.
Quero ser (Abrindo os braços) A RAINHA DA
ZONA! Vou ser a maior exploradora de lenocínio
da paróquia e da história.
Vou começar com as meninas na janela mostrando
tudo, bundas e tetas!
LEÔNIDAS – A polícia vai fechar esse bordel antes
da abertura!
(Cordélia de repente bate com os olhos em Rico,
acuado num canto apertando o pau. Vai até ele,
empurrando-o com ambas as mãos.)
CORDÉLIA (Para Rico) – E você? Pensei que daí
fosse pintar um malandro, um futuro gigolô,
algo mais que essa insuportável cara de anjo!
Você, de quem eu esperava trouxesse ao menos
99
um clima pra esta casa, não faz outra coisa que
apertar esse pauzão e ficar aí, com essa cara de
ponto de interrogação.
LEÔNIDAS (Tendo um lampejo, para Rico) – Vamos
imediatamente pro caís do porto. A minha
intuição feminina, quero dizer, masculina, me
diz que tem um cargueiro holandês atracado
lá. Vamos diretamente ao comandante. Tenho
certeza que ele vai nos empregar. Nem que seja
pra descascar batata. Já vi isso num filme. Na
época em que frequentava cinema. (Sonhando
alto, empolgado com a ideia) Puxa, quem diria
que a gente acabaria nos Países Baixos! Já tenho
até passaporte! Faz tempo que tirei. Intuía que
isso um dia ia acontecer! (Para Rico) Você não
precisa de passaporte. Você é menor, e menor
não precisa dessas formalidades. Ao menos na
Holanda. Vai ser um saco, no começo, a gente
descascar batata. Mas depois, quando o navio
estiver em pleno oceano, Atlântico ou Pacifico,
sei lá, quando o navio deixar para trás o Cabo
da Boa Esperança e cruzar o Equador, longe de
terra à vista, a gente manda o navio pras picas!
(Sai para o banheiro).
CORDÉLIA (Atônita) – Meu Deus, que loucura!
LEÔNIDAS (Retornando, com uma granada na
mão) – Esta granada, eu estava guardando para
100
um dia explodir esta casa. Estava escondida
atrás da descarga. Como esta casa agora vai ser
transformada em serviço de utilidade pública, ou
seja, um bordel, a granada agora vai explodir o
navio, no meio do oceano, com a gente dentro.
O navio afunda e a gente vai conhecer uma coisa
que sempre me pareceu essencial: O FUNDO DO
MAR. (Pequena pausa) Mas a gente leva também
algumas caixas de busca-pés, pra enfiar no cu dos
marinheiros. Assim eles vão conhecer a Lua, que
também me parece essencial. (Pequena pausa)
Vamos, que vou dar um jeito do navio sair ainda
hoje, se possível agora mesmo! (Pequena pausa,
à saída, triunfante) E já que não consegui me
realizar como autor de história em quadrinhos,
vou me transformar em personagem de história
em quadrinhos. Nós dois. Serei o Simbad, e você,
o marujo. (Puxa Rico pela mão). Vamos. (Os dois
saem de cena).
CORDÉLIA (Abandonada) – Não era bem assim
que eu queria... (Ouve-se um estrondo de explosão
de bomba, efeitos de tremores bruscos e luzes
lusco-fuscantes) A granada explodiu! Foram
pras picas! (Caminha, desolada, até o armário e
retira um pacotinho embrulhado de farmácia.
Vai à mesa, assenta-se desanimada e desembrulha.
É um vidro de soníferos.) Sei que estou fazendo
uma bobagem... mas não há outra saída...
101
(Levanta-se, pega um copo com água e engole
todos os comprimidos) Diz a bula que o efeito é
quase imediato. (Pequena pausa) Melhor. Assim
nem dá tempo de arrepender. (Inspeciona a sala)
Aparentemente está tudo em ordem. (Raciocinando)
Mas não foi bobagem, o que fiz? Ainda
não tentei tudo! Mas também,quem manda
ser impaciente?! (Pequena pausa) O começo é
sempre difícil, Cordélia Brasil, vamos tentar outra
vez. Quem foi que disse isso? Minha professora
de economia doméstica? (Pequena pausa) Minha
memória já começa a falhar. Mas será que
a morte vem mesmo? Não consigo acreditar.
Nem medo eu sinto. Só uma solidão que não
tem tamanho. Será que dá tempo de escrever
uma carta explicando tudo? Mas explicar o quê?
A quem? Já não tenho mais ninguém. (Tenta
levantar, desiste) Engraçado!... Meu corpo tá
ficando duro... Não sinto as minhas pernas. Só a
cabeça, que já começa a pesar. Meu sentimento
é de aflição, mas, fisicamente, parece que meus
nervos me abandonaram. (Aflita) Que é que não
vão pensar de mim, me encontrando morta sem
nem um bilhete?! Merda! (Soa a campainha)
Quem será? (Soa novamente, Cordélia esforça-se
para levantar e não consegue) A porta está só
encostada, por que não entram? (Silêncio) Desistiram.
Foram embora. E as minhas forças já me
abandonaram. Já não tenho mais força nem para
102
gritar, pedindo socorro. Arrependi, mas agora é
tarde. Merda! (Pequena pausa) Por que será que
digo tanto merda? Deve ter sido a convivência
com a Solange. Solange só diz merda, por tudo e
por nada. (Pausa) Tô ficando fraca, mas a minha
cabeça continua viva. Tenho a impressão que
desta vez eu vou mesmo. Mas vou em paz. Pelo
menos deixei a marca da minha passagem pela
Terra, a minha fotografia... (Último suspiro) A
minha fotografia...
(Luz vai baixando enquanto é projetada a
imagem de um corpo feminino nu, do pescoço
pra baixo).
FIM

Nenhum comentário:

Postar um comentário